Salvador

Publicada em 29/10/2012 às 12h34. Atualizada em 29/10/2012 às 15h53

A situação precária da Rodoviária de Salvador; Veja as fotos


As pessoas que trabalham e passam pelo local reclamam, principalmente, da sujeira e falta de segurança


Tiago Di Araujo
(tiago.araujo@redebahia.com.br)
publicidade

Falta de segurança, sujeira, mau cheiro, piso e asfalto danificados, são esses alguns dos principais problemas enfrentados por que passa diariamente pela Estação Rodoviária de Salvador, onde circulam boa parte dos ônibus da capital e região metropolitana. Construída em 1974, o terminal fica localizado ao lado da Estação de Transbordo e do Shopping Iguatemi e sofre com um verdadeiro descaso dos órgãos públicos.

Para a vendedora ambulante, Edite dos Santos, é uma falta de atenção total o que acontece com a Rodoviária. "Não tem lixeira nenhuma, os banheiros ficam fechados, aí o pessoal acaba mijando nas pilastras. É uma bagunça!", criticou. A idosa de 60 anos, que já vende lanches no local há mais de quatro anos, não esconde a insatisfação. "Tem dia que eu preciso esperar chegar em casa para ir ao banheiro", ressaltou.

"Tem dia que eu preciso esperar chegar em casa para ir ao banheiro".

Assim como a vendedora, o rodoviário Jeová do Nascimento, passa boa parte do dia no terminal e relata os problemas no local. "O que mais sofremos aqui é falta de banheiros. Sem contar a falta de segurança porque não passa um policial por aqui", alertou. O cobrador também informou já ter presenciado vários assaltos dentro da estação.  Para o motorista Carlos Souza, o que precisa ser reparado com urgência é o asfalto do local, pois muitos passageiros caem dentro do ônibus por conta dos tombos gerados pela irregularidade do asfalto. 

De acordo com servidores da Superintendência de Trânsito e Transporte de Salvador (Transalvador) que estavam no local, foi realizada uma operação 'tapa buracos' há cerca de 15 dias. Os servidores ainda informaram que só comparecem à administração do terminal para evitar assaltos aos equipamentos. "Não temos muito o que fazer por falta de estrutura. O nosso banheiro é uma porcaria. A funcionária de limpeza só vem pelo turno da tarde e no sacrifício, pois ela já não recebe há três meses", confessou os funcionários que também não quiseram se identificar.


Ao andar pelo terminal é visível que a sujeira toma conta do local, devido a falta de lixeiras. Outro grande incômodo, é o forte odor de urina que também atrapalha nas vendas de produtos alimentícios da estação. Segundo a administração, uma equipe da Limpurb faz a limpeza todos os dias durante a madrugada. Além disso, os transeuntes dividem os pontos de ônibus com os mendigos que dormem nos bancos e no chão da estação.

Sob responsabilidade da Transalvador, órgão da Prefeitura Municipal, a Estação Rodoviária suporta linhas de transporte público de diversos bairros da capital e de municípios próximos como Lauro de Freitas, Camaçari, Simões Filho, entre outros. Em meio às eleições municipais, o terminal se torna mais um desafio para ser enfrentado pelo prefeito de Salvador.

A equipe de reportagem do iBahia entrou em contato com a Transalvador, Limpurb e com a Secretaria Municipal de Serviços Públicos e Prevenção à Violência (SESP) para maiores esclarecimentos, mas não obteve êxito.

Legenda da foto aqui

O Terminal Rodoviário de Salvador foi construído em 1974





Tags: Descaso, Sujeira, Mau Cheiro, Rodoviária, Estação, Terminal
Agenda Cultural