Brasil

Coronavírus: 10% dos mortos no Brasil tinham menos de 60 anos

Sete deles (4%) tinham menos de 40 anos de idade

Agência O Globo

O Brasil ainda não possui um estudo epidemiológico detalhado para ilustrar o perfil da Covid-19, mas dados preliminares indicam que a porcentagem de jovens e adultos mortos no país é maior do que na China, apesar de a letalidade ser comprovadamente maior entre idosos.

Segundo informe de ontem à noite do Ministério da Saúde, 20 de um total de 201 (10%) mortes causadas pelo novo coronavírus até agora não ocorreram em idosos, mas sim em pacientes abaixo dos 60 anos. Sete deles (4%) tinham menos de 40 anos de idade. Entre os pacientes chineses, a parcela de óbitos não foi tão grande entre os menores de 60 anos (6%) e de 40 anos (3%).

Ainda não se sabe se essa diferença se deve a alguma falha na notificação de todos os casos, e o governo brasileiro diz esperar que a doença se comporte como se viu em outros países. — Entre os jovens, teremos casos assimétricos, casos que precisarão de internação, mas o número de óbitos é baixo. Estatisticamente, a gente acha que vai seguir o que se viu na China, na Itália, em outros lugares — afirmou ontem o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Há médicos que não estão tão tranquilos com relação à população jovem. O diretor da Sociedade Brasileira de Infectologia, Marcos Cyrillo, afirma que, embora entre os 12 e os 45 anos as pessoas estejam no auge da sua imunidade, “há muitas variáveis” no recorte etário da doença.

— Várias condições interferem para o desfecho, como carga viral, hábitos de vida. O jovem pode não ter doenças de base, mas ter comportamento de risco, envolvendo cigarro, bebida e má alimentação — diz o infectologista.

— Não nos contaram tudo sobre esse vírus — afirmou ontem à TV Globo o secretário estadual de Saúde do Rio, Edmar Santos. — A segunda faixa que mais se interna é a de 30 a 39 anos. Entre os casos que acenderam o alerta em jovens está o de uma mulher de 32 anos que morreu ontem no Rio de Janeiro. Na segunda-feira, um homem de 43 anos morreu no Amazonas.

Imunidade

As pessoas acima dos 60 anos ainda são o grupo de maior risco para óbito, pois nessa faixa etária o sistema imunológico perde o vigor para combater infecções.

— Porém, indivíduos de todas as idades podem ficar doentes, ter formas graves da infecção pelo novo coronavírus e serem hospitalizadas, com possibilidade de morrerem — diz Leonardo Weissmann, consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia em São Paulo.

A evolução das infecções entre jovens tem mostrado que grande parte vai passar sem sintomas graves. Mas, pela alta exposição de pessoas nessa faixa etária, explicam especialistas, não será tão raro que algumas tenham complicações graves.

— Temos hoje jovens extremamente estressados do ponto de vista pessoal, profissional, sem alimentação adequada. E esses fatores também impactam no sistema imune quando nos deparamos com um vírus que desencadeia um quadro inflamatório absurdo nos pacientes — afirma a infectologista Rosana Richtmann, do Hospital Emílio Ribas.

Em São Paulo, o grupo de pessoas entre 20 e 59 anos representa cerca de 70% dos casos confirmados de infecção. E cerca de 40% do total é de jovens entre 20 e 39 anos. A porcentagem cai quando observada a letalidade. Doze de 136 mortes no estado foram de menores de 60 anos — cinco óbitos foram de menores de 40 anos.

Nem sempre o agravamento do quadro da Covid-19 entre jovens está ligado a doenças de base. — Não é necessariamente o jovem com asma, ou com diabete, mas o estilo de vida pesa — afirma a infectologista. — Além do estresse e da alimentação, tabagismo também é fator de risco, agride o epitélio respiratório.

Segundo Richtmann, os dados não devem trazer pânico, mas um alerta: jovens também devem ficar em casa, quando puderem, para que os que não podem possam trabalhar com segurança, como profissionais de saúde, transporte e abastecimento. — Ninguém é imune a esse vírus, é um vírus novo. Ainda estamos aprendendo o comportamento dele.

Mesmo nos casos em que não causa a morte, estudos preliminares têm demonstrado que o coronavírus pode deixar danos de longo prazo, inclusive entre os jovens, diz Weissmann: — Há indícios de que a infecção pelo novo coronavírus possa causar sequelas no pulmão, no coração e nos rins.

Entre os mais surpresos com o impacto da Covid-19 entre jovens adultos estão os próprios infectados. Um deles foi Tiago Porto, de 26 anos. Ele diz não ter ficado preocupado com o diagnóstico, até o dia em que teve a sensação que não conseguia encher o pulmão de ar. Felizmente, não desenvolveu pneumonia e agora está recuperado, mas hoje avalia que teve sorte: — Temos visto notícias de jovens que estão tendo complicações. Talvez eu tenha ficado tranquilo demais perto do que poderia ter sido.

Pedro Pacífico, de 27 anos, sentiu na pele que o novo coronavírus não é como um vírus de resfriado qualquer. — Tive sintomas bem leves no início, mas eles deram uma piorada. Não cheguei a ficar internado, mas não é só uma gripe. Nunca tive uma gripe assim, que tenha durado tanto tempo e tenha me abatido tanto.

A morte de Mauricio Suzuki, 26 anos

Quando tenta descrever o que aconteceu nos últimos dias, a psicóloga Simone Suzuki repete: “Foi muito rápido”. Seu irmão Mauricio, de 26 anos, começou a sentir os sintomas da Covid-19 no dia 16 de março. Procurou atendimento médico duas vezes e foi mandado de volta para casa, na capital paulista. A internação só ocorreu no dia 23, quando o quadro respiratório se agravou. Mauricio Suzuki morreu no último fim de semana.

— Quando lia as notícias sobre coronavírus, parecia uma realidade distante, que não ia chegar. Quando meu irmão começou a ter os primeiros sintomas, ele ficou com medo, se perguntava se iria para o hospital — lembra Simone: — Ele não tinha doença preexistente, nenhum hábito ruim que prejudicasse seu organismo, era um rapaz novo. Fugiu a todas as estatísticas.

Simone diz que a família ainda está “em processo de elaboração” do que aconteceu. Quando Mauricio procurou o hospital pela primeira vez, conta ela, foi considerado um caso de gripe comum. Como a febre piorou, procurou outro hospital. Mesmo assim, foi orientado a voltar para casa de novo, uma vez que não tinha quadro agudo dos sintomas.

— Percebo que é a conduta dos hospitais, de que se o paciente não tem quadro agudo dos sintomas, que necessite internação, ele é enviado para casa. De certa forma, sendo racional, penso que seja realmente por falta de estrutura. Não há condições para absorver todas as pessoas em um primeiro momento, e mandam para casa esperando que melhore, dependendo das condições físicas e clínicas da pessoa. Ele só foi medicado depois de internado. Mas não acho que houve erro médico. Ele foi bem tratado. Talvez tenha sido coisa do destino, Deus quis assim.

Mauricio fazia esporte, principalmente corrida. Formado pela Mackenzie, em São Paulo, trabalhava em um escritório. Manteve a rotina normal até dia 16, quando começou a trabalhar de casa. Com os sintomas iniciais do novo coronavírus, foi para a casa da irmã. Achava que tinha gripe, e não queria passar para os pais, de 67 e 74 anos. Os dois estão internados, estáveis, e em tratamento para Covid-19.