Economia

Conheça quais são os dez principais riscos do crédito consignado

Coordenadora do Núcleo de Defesa do Consumidor da Defensoria alerta sobre dificuldades na contratação e na liquidação do contrato

Agência O Globo

A redução do teto dos juros para o crédito consignado, de 2,2% para 2,05% ao mês, reafirma a linha como a mais barata do mercado. Apesar da inegável vantagem, há de se ter uma série de cuidados antes de contrair um empréstimo desse tipo, alerta a coordenadora do Núcleo de Defesa do Consumidor (Nudecon) da Defensoria Pública, Patrícia Cardoso. A pedido da “Defesa do Consumidor” , a defensora listou os principais riscos do crédito consignado.

1-
A contratação, muitas vezes, não analisa o percentual de renda comprometido com o empréstimo, a capacidade financeira do consumidor e de suas necessidades;

2- A margem de comprometimento da renda pode subir de 30% para 35% com a contratação do cartão de crédito consignado, também descontado em folha, e que tem apresentado uma série de problemas para o consumidor;

3- Falta de fornecimento de documentação contratual aos consumidores;

4- Contratação por telefone sem análise pelo consumidor de prós e contras e sem contrato;

5- Há fraudes frequentes na contratação;

6- Comprometimento de renda por longo período de tempo;


7- Não há controle por parte das instituições se o consumidor já está com a margem de 30% comprometida, o que leva muitos a comprometer mais da metade dos ganhos com o pagamento do empréstimo. Há casos de até 70%;

8- Há inflexibilidade nas negociações, entre as instituições e os consumidores, dado a segurança jurídica do agente financeiro;

9- Dificuldade para que o consumidor possa fazer a quitação antecipada;

10- Entre os superendividados que chegam à Defensoria Pública, é comum que tenham firmados contratos de consignado.