Economia

Gol anuncia que não vai renovar o contrato com a Smiles

Contrato com o programa de fidelidade tem validade até 2032

Glauce Cavalcanti, de Agência O Globo
A Gol Linhas Aéreas não vai renovar o contrato com a Smiles, que opera o programa de fidelidade da companhia aérea, que tem validade até 2032. A companhia pretende incorporar o Smiles e, posteriormente, em uma segunda etapa, migrar para o Novo Mercado da B3, disse a empresa em fato relevante divulgado na noite deste domingo. A mudança tem por objetivo garantir a competitividade do grupo no longo prazo, sustenta a Gol, permitindo a redução de custos e despesas.
No início de setembro, a Latam, principal concorrente da Gol, anunciou que não iria renovar seu contrato com a Multiplus, que vence em dezembro de 2024, para fechar o capital da operadora de programas de fidelidade da empresa. A operação é citada no comunicado da Gol.
A Gol sustenta que a concorrência no segmento de programas de fidelidade "tornou-se mais desafiadora nos últimos anos". A companhia afirma que vem trabalhando para ampliar a competitividade de seus produtos de aviação e também do Smiles para clientes e parceiros. O contrato com a operadora do programa de fidelidade, contudo, limita esses esforços. Diz ainda que as estruturas societárias separadas prejudicou a capacidade das duas empresas de competirem.
“Isso se tornou um fardo para o Grupo com um todo, dado o aumento da necessidade pela GLA da constante renovação de frota e crescimento da oferta de produtos e serviços, bem como o crescente acirramento da concorrência de programas de fidelidade”, diz o comunicado.
A mudança, argumenta a Gol, resultaria em melhoria na oferta de produtos e serviços aos passageiros da companhia aérea e aos membros do Smiles, que tem atualmente 14 milhões de participantes.
A reorganização depende da aprovação pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e dos acionistas das companhias. Serão convocadas assembleias gerais de acionistas, que devem ser realizadas dentro de cem dias. Caso a reorganização não seja aprovada, a Gol disse que poderá reverter para “estruturas alternativas para alcançar seus objetivos a esse respeito, incluindo por meio de uma oferta pública de aquisição”.
Como será feita a operação
A Gol vai criar novas ações preferenciais (sem direito a voto) com valor superior às ações ordinárias da Gol Linhas Aéreas. A companhia vai também alienar ações ordinárias emitidas pela empresa aérea ao acionista controlador do grupo Gol, o fundo de investimento em participações Volluto.
A incorporação da Smiles será feita por meio da emissão pela Gol de ações preferenciais da companhia na classe atualmente existente para os acionistas do programa de fidelidade. Esses papéis poderão ter seu valor resgatado, com pagamento em dinheiro em um prazo que ainda será determinado.
Por fim, será feito o aumento de capital da Gol Linhas Aéreas e, posteriormente, a migração do grupo para o Novo Mercado. As ações unificadas serão negociadas também na Bolsa de Nova York, mediante o programa de ADS (American Depositary Share).