E. C. Bahia

Guardiões da zaga: Tiago e Lucas têm formado boa dupla na Série A

Média de gols sofridos do tricolor com os dois é inferior a um por jogo

Bruno Queiroz, Correio*

Um foi o principal jogador de defesa do Bahia no acesso para a Série A, ano passado. O outro vinha sob desconfiança após atuações ruins desde que retornou do futebol asiático. Quando 2017 começou, era improvável imaginar que a dupla de zaga titular do tricolor na Série A fosse formada por Tiago e Lucas Fonseca. Muito por conta do segundo.

O fato é que, atuando juntos, eles têm passado segurança. Das 21 rodadas do Brasileirão, Tiago e Lucas estiveram lado a lado em 15. Foram sete triunfos, cinco derrotas e três empates. Quando um deles não atuou, o time não venceu. Isso aconteceu seis vezes, nos empates com Avaí (1x1) e Vitória (0x0) e nas derrotas para Vasco (2x1), Corinthians (3x0), Palmeiras (2x4) e Atlético-PR (4x1). A dupla está confirmada neste domingo (26), às 16h, contra o Botafogo, na Fonte Nova.

Estes números ilustram a importância dos dois para a equipe, mas Lucas Fonseca prefere dividir o mérito com todos os companheiros, até mesmo com os jogadores de frente. “Acredito muito na equipe, não só numa dupla ou só num jogador. Ninguém vai ganhar jogo sozinho. A gente precisa, dentro de campo, ter os 11 defendendo e atacando juntos. Quando uma equipe está compactada, tudo certinho, com as linhas fechadas, time encaixado, as coisas tendem a fluir. O adversário vai ter menos chances e isso favorece a defesa”, pontuou.

É fato que, para o sucesso da defesa, é necessário que os outros setores colaborem durante uma partida. No entanto, ainda há dados e estatísticas que reforçam o bom trabalho da dupla de zaga. Em todo o campeonato, o Bahia sofreu 28 gols. Metade deles, 14, foi justamente nos seis jogos em que Tiago ou Lucas desfalcou a equipe. O que significa que o time sofreu outros 14 gols em 15 jogos. A média de gols sofridos por jogo com Tiago e Lucas Fonseca na defesa é de 0,93. Sem eles, a média sobe para 2,33 gols por jogo.

Para o capitão Tiago, conhecer o parceiro é essencial no setor. “A gente já tem total entrosamento, joga junto há um bom tempo. Isso facilita para o time todo, para o próprio Juninho, que entrou bem. Isso ajuda no resto da competição”, disse, citando o lateral.

Outro ponto a destacar é que, nas 21 partidas disputadas até então, o Bahia não sofreu gol em oito. Dessas oito, a única em que a dupla de zaga não foi formada por Tiago e Lucas foi no Ba-Vi do primeiro turno, que terminou empatado por 0x0. Eder atuou ao lado do capitão tricolor. Os outros jogos  foram nas vitórias sobre Vasco (3x0), Atlético Mineiro (0x2), Ponte Preta (0x3), Cruzeiro (1x0) e Atlético Goianiense (3x0), além do empate por 0x0 com o Coritiba, no Couto Pereira, em Curitiba.

Terceira passagem
 

Reserva em 2016, quando a dupla de zaga terminou a Série B com Tiago e Jackson, Lucas  está fazendo um 2017 bem diferente. Com a lesão de Jackson e atuações instáveis de Eder e Becão, ele se consolidou ao lado de Tiago e vem fazendo um bom Brasileirão na sua terceira passagem pelo Bahia.

Questionado se este é o seu melhor momento no tricolor, o zagueiro, 32 anos, evitou fazer comparações. “Eu prefiro não comentar em relação às outras passagens porque essa foi diferente. Eu voltei ano passado do futebol asiático (estava no Tianjin Teda, da China). Deficiência, limitação muito alta fisicamente, isso me prejudicou muito. Este ano, eu consegui, trabalhando nas férias, readquirir a forma física e isso tem me ajudado muito dentro de campo. Então é procurar sempre trabalhar, respeitar o momento do companheiro, foi o que eu fiz. Quando tive oportunidade, estava preparado e por isso as coisas têm dado certo”, explicou. Lucas Fonseca é o segundo jogador mais velho do atual elenco, atrás do goleiro reserva Anderson,  34.