Palco do duelo entre Vitória e ASA, Coaracy Fonseca deve lotar neste sábado


Estádio alagoano tem capacidade para 15 mil pessoas

Em Arapiraca, terra do fumo, o Fumeirão é celebridade. Bem ao lado do centro da cidade, o estádio fica no tranquilo bairro Eldorado. Mas o sossego acaba na tarde deste sábado, quando o Vitória vai encontrar um clima nada favorável para decidir seu futuro contra o ASA, às 17h de Salvador e quatro da tarde no horário local.

A cidade se mobilizou para a final. Empolgados com a boa possibilidade de permanência na Série B, os torcedores do alvinegro alagoano vão fazer carreata e tudo atrás da delegação no caminho do hotel até o estádio. E o acanhado Fumeirão promete estar lotado. Quem tiver com a camisa do ASA paga R$ 10 e mais 2kg de alimento para entrar.

Seu Leôncio Ferreira, funcionário do estádio há 22 anos, aposta em mais de 10 mil pagantes no lugar onde cabem 15 mil. “Aqui vai encher amanhã (neste sábado). Pena que o Vitória não ganhou do São Caetano no sábado. Se ele tivesse feito a parte dele, eu apostava em 2×0 fácil pra ele aqui. Mas o Vitória foi entregar o ouro…”, comentou o simples senhor de 67 anos, torcedor do ASA e que abriu as portas do estádio para o jornal Correio* na noite de sexta.

No rolé noturno pelo Fumeirão, foi possível ver um estádio bem organizado. Logo na entrada tem uma sala pra Secretaria de Esportes e outra que abriga um museu do esporte, com fotografias e troféus do ASA. “Aqui é tudo arrumadinho. Aquela parte da arquibancada (do lado oposto das cabines de transmissão) é móvel, mas vão botar no cimento”, disse o esperançoso Leôncio, sobre o estádio que foi reinaugurado em 2006 e ampliado em 2010.

Apesar da escuridão na visita, deu pra perceber que o gramado não será problema para o Leão mostrar sua bola e vencer para sonhar com a Série A. “Tá todo verdinho aí. Vocês vão ver amanhã (neste sábado) que tapete”, garantiu seu José Ambrósio, há 30 anos jardineiro do Fumeirão,  enquanto jogava baralho numa salinha ao lado da entrada do estádio.