Gastronomia

Seis receitas internacionais para fazer e provar em casa

Pesticos do Oriente Médio, bebida de Taiwan, lanche do Canadá e muito mais. Confira receitas fáceis que vão dos doces aos salgados e trazem gostinhos de diferentes partes do mundo. Almoço, sobremesa, jantar: confira ideias para todas as horas do dia

Por Carolina Rodrigues e Vanessa Brunt, do Não Óbvio


Cozinhar em casa pode ser uma boa opção para quem quer acalmar os ânimos e sentir o prazer de experimentar um gostinho diferente. Durante o período de quarentena em que o país se encontra, esse momento de distração e descobertas pode ser uma boa pedida para quem quer sentir novas emoções.

Existe uma técnica chamada culinária terapêutica, também conhecida como culinária mindfulness, que ajuda a combater a ansiedade e o estresse. Um dos episódios do programa Staying Well, da CNN, mostra como a atividade traz inúmeros benefícios à saúde.

Ou seja: cozinhar pode ser uma ajuda para melhorar a concentração, reprimir pensamentos negativos, estimular a criatividade e melhorar a autoestima.

Diante de tantos pontos positivos, que tal preparar algo diferente hoje? Para dar aquela mãozinha para que você saia dos clichês e tenha mais surpresas, o NÃO ÓBVIO escolheu cinco receitas fáceis e acessíveis, que vão dos doces ao salgado, para você colocar a mão na massa.

Mas não para por aí. Além disso, cada receita pode levar a diferentes destinos internacionais, sem você precisar sair de casa. Conheça sabores de variados países:

1. FALAFEL (E HOMUS) | ORIENTE MÉDIO (ÁRABE)


Falafel e homus são pratos típicos, vindos do Oriente Médio. A origem das receitas, contudo, evidencia uma disputa gastronômica entre os países da região – não se sabe ao certo de onde surgiram.

Apesar disso, juntos, o falafel e o homus formam um ótimo aperitivo de sabor excêntrico.

De todo modo, a receita indicada pelo NÃO ÓBVIO segue a culinária israelense, em que o falafel é feito apenas com grão de bico processado e especiarias.

Esta receita é vegana, rica em nutrientes como proteína, fibra e fósforo. Além disso, é feita com ingredientes fáceis de encontrar.

O Falafel é um salgadinho e consiste em bolinhos fritos de grão-de-bico ou fava moídos, normalmente misturados com condimentos como alho, cebolinha, salsa, coentro e cominho. Muitas vezes, são consumidos em pão pita, com homus, tahine e salada.

O Homus ou Húmus é como se fosse uma pasta (para comer com biscoitos e afins). Também é feito a partir de grão-de-bico cozido e espremido, taíne, azeite, suco de limão, sal e alho.

☌ Confira como preparar falafel e homus no vídeo feito por Tayná Mota, do canal Vegana Bacana:




2. TAJINE MARROQUINO | ÁFRICA (MARROCOS)

A culinária marroquina é conhecida pelo uso de especiarias e legumes, uma combinação potente, saborosa e bastante cheirosa.

O tajine é uma receita típica do norte da África. Nesta região, misturam-se tradições espanholas judaicas e árabes. Por isso, o tajine pode ser preparado das mais diversas maneiras.

O nome do prato faz referência a panela onde é preparado. A tampa em forma de cone faz o vapor do alimento condensar e voltar ao fundo da panela. Assim, o sabor e aroma são acentuados.

Para preparar o tajine marroquino é preciso usar carne de cordeiro. Mas, isso não impede que a receita seja adaptada. É possível usar até mesmo carne de frango ou bovina. Algumas pessoas também fazem com almôndegas.

Para quem quer um prato de almoço ou jantar diferenciado, o tajine é uma excelente pedida. Carne, legumes e cuscuz fazem do prato não somente excêntrico, mas também ideal para realmente matar a fome. Uma dica extra bacana é incluir também ovos com gema mole.

☌ Para esta opção, você pode aprender a fazer um tajine de frango com cuscuz marroquino. Veja no canal de Fernando Adore:



3. PANNA COTTA | ITÁLIA

O creme cozido italiano, a panna cotta é um doce muito simples e fácil de se fazer em casa, por isso pode ser uma ótima opção de sobremesa para experimentar.

Para prepará-la são necessários pouquíssimos ingredientes: creme de leite, gelatina sem sabor, leite, açúcar e baunilha.

Como acompanhamento, a calda tradicional é feita com frutas vermelhas, mas pode ser facilmente substituída por outras opções, como chocolate, geléia, mel… ou o que for mais acessível.

A panna cotta é uma espécie de pudim de creme de leite, com sabor muito mais neutro e leve.

☌ Na receita em vídeo, a atriz Milena Toscano ensina como fazer a receita e uma calda de frutas vermelhas para acompanhar:



4. POUTINE | CANADÁ

O poutine é um prato tradicional nas ruas do Canadá, sobretudo em Quebec, onde nasceu.

A receita é feita com batata frita, queijo derretido e molho gravy, com manteiga, farinha de trigo e caldo de carne. Ou seja, esta é uma comida muito prática, com ingredientes fáceis de serem encontrados.

Devido a sua popularidade, o poutine foi adaptado e incorporado em diversos fast foods, como KFC e Burger King.

Existem diversas versões sobre o surgimento do prato. Uma delas diz que a receita foi preparada pela primeira vez pelo cozinheiro Fernand LaChance. Um dos clientes pediu que ele misturasse batata frita e queijo, fazendo uma poutine, ou seja, uma bagunça.

O que se sabe de fato é que o prato surgiu por volta dos anos 1950 e desde então se tornou uma das comidas canadenses mais populares.

Além de servir como um bom lanche salgado, o poutine também pode ser uma sobremesa saborosa que mescla batata frita, sorvete, marshmallow e calda doce ou batata frita, calda de chocolate e queijo. São diversas as formas de inovar. A batata, inclusive, pode também ser doce. Muitas pessoas comem o poutine doce em casquinhas de sorvete.

Clique aqui para conferir diferentes receitas de poutine (tem até veganos na lista). O empresário, cozinheiro e viajante Thiago Lorusso foi ao Canadá durante uma viagem de intercâmbio e, no vídeo abaixo, mostra como preparar um poutine:



5. AREPA COLOMBIANA

Arepas têm origem indígena. Elas vieram de fazendas coloniais e da própria culinária indígena, bem antes da chegada dos espanhóis na América Latina.

O prato traz uma massa de pão feito com milho moído ou com farinha de milho pré-cozido. Essa massa pode ser comida sozinha ou pode servir para misturas com carnes, queijos e diferentes outros alimentos. Para quem quer arriscar misturas de sabores, a pedida é ideal.

Inclusive, a palavra arepa remete ao milho na língua indígena. A receita é originária da Colômbia, mas também é comum em outros países da América como Venezuela e Panamá.

O prato é salgado feito a base farinha de milho e é preparado em forma de panqueca, podendo ser preparado de diferentes formas.

As arepas já eram incorporadas em diversas partes do mundo, mas ganharam maior reconhecimento por causa da série Narcos, inspirada na história do narcotraficante Pablo Escobar.

☌ Há dois anos, o Tastemade Brasil fez um vídeo explicando como preparar uma arepa colombiana de queijo:



6. BUBBLE TEA | CHINA (TAIWAN)

Que tal um chá diferente para relaxar? Bubble tea, boba ou chá perolado é uma bebida originária de Taiwan. De uns anos para cá, o chá se tornou um sucesso no Brasil.

A bebida é docinha e feita sem álcool, apenas com chá, leite, açúcar e pérolas de tapioca, que promovem sensação relaxante ao serem mastigadas (e que podem ser substituídas por sagu, por exemplo, já que são mais difíceis de serem encontradas).

Existem diversos sabores de bubble tea, como água de coco, manga, morango e até mesmo chocolate. O mais tradicional, feito com chá preto e leite, pode ser feito em casa, com muito mais facilidade.

Por mais que tenha ganhado popularidade no Brasil há pouco tempo, o bubble tea tem mais de trinta anos de história na Ásia.

A bebida foi inventada nos anos 1980 e dizem que vendedores colocavam suas barracas em frente a escolas, chamando a atenção das crianças após as aulas.

☌ No vídeo abaixo, Melina Souza, do canal Tea with Mel, ensina como preparar seu próprio bubble tea:




*Conteúdo divulgado em parceria com o site NÃO ÓBVIO