Moda e Beleza

Acusada de racismo, Gucci deixa de vender suéter

Em redes sociais, internautas acusaram a grife italiana de racismo

Agência O Globo
- Atualizada em

A grife italiana Gucci anunciou nesta quinta-feira que suspendeu as vendas de um suéter preto com lábios vermelhos, a US$ 890 a unidade, após ter sido alvo de críticas nas redes sociais sob acusações de racismo. O item é um suéter preto de gola alta que, se for desdobrado na altura do pescoço, sobe até a altura do nariz, deixando a boca descoberta e rodeada por carnudos lábios vermelhos.

Fotos: Reprodução

Para alguns críticos, a peça  seria uma referência à blackface, termo que, em inglês, uma representação caricatural de negros. A Gucci pediu desculpas pela “ofensa causada” em sua página no Twitter, confirmando que o produto foi retirado imediatamente das lojas e do site da grife. “A diversidade é um valor fundamental”, destacou a Gucci, acrescentando que o “incidente” funciona como uma “lição”.

Esta não é a primeira vez que uma marca precisa interromper as vendas de uma roupa em meio à polêmica. A Dolce & Gabbana, por exemplo, sofreu boicote a seus produtos em novembro, após uma campanha publicitária mostrar uma modelo chinesa tendo dificuldades para comer pizza com hashis (os palitinhos orientais) .

Em dezembro último, a Prada, outra grife italiana, teve que retirar de suas lojas em Nova York bonecos negros com grandes lábios vermelhos depois de também ter sido acusada por usuários de redes sociais de racista.