Menu Lateral ibahia ibahia.com
iBahia > mundo bahia fm > fala bahia
Whatsapp Whatsapp
Fala Bahia

Chefes de facções criminosas são transferidos para interior da Bahia

Transferência faz parte segunda fase da 'Operação Torre'. Veja para qual local os presos foram levados no Fala Bahia

Ilana Pêpe • 11/06/2024 às 20:21 • Atualizada em 12/06/2024 às 21:37 - há XX semanas

Google News siga o iBahia no Google News!

Dois homens suspeitos de chefiar facções criminosas, que atuam no tráfico de drogas da Região Metropolitana de Salvador e bairros da capital baiana, foram transferidos na madrugada desta terça-feira (11) para o presídio de segurança máxima de Serrinha, a cerca de 185 km de Salvador.


				
					Chefes de facções criminosas são transferidos para interior da Bahia
Presos são transferidos para Serrinha. Foto: Ascom/MP-BA

Os transferidos estavam presos no Conjunto Penal de Salvador, de onde, segundo as investigações, davam ordens aos membros das facções criminosas que estavam nas ruas para execução de diversos crimes, entre eles homicídios cometidos na capital baiana e região metropolitana, tráfico interestadual de drogas e armas e lavagem de dinheiro e bens.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Leia mais:

A transferência é a segunda fase da 'Operação Torre', deflagrada de forma integrada pelo Ministério Público estadual e Secretarias de Administração e Ressocialização (Seap) e de Segurança Pública da Bahia (SSP). A segunda fase da operação dá sequência ao desmonte do esquema de comunicação e do plano de expansão da organização criminosa dentro do sistema penitenciário.

O que diz a Secretaria de Segurança Pública da Bahia:

Segundo a SSP, durante a primeira fase, em buscas realizadas em celas da unidade prisional de Salvador, foi apreendido um celular, que era utilizado por um dos principais líderes do tráfico da RMS para se comunicar com outros internos e comparsas que atuavam do lado de fora da prisão.

Mais de 500 espadas são apreendidas na Bahia; uso de artefatos explosivos é proibido

Um homem foi preso em flagrante e 522 espadas clandestinas foram apreendidas em Cruz das Almas, cidade do Recôncavo baiano. O artefato explosivo costuma ser usado na tradicional "guerra de espadas", proibida no município desde 2011.


				
					Chefes de facções criminosas são transferidos para interior da Bahia
Mais de 500 espadas são apreendidas em Cruz das Almas, recôncavo baiano. Fotos e vídeo: Divulgação - Ascom/PC

A apreensão ocorreu durante o cumprimento de uma mandado de busca e apreensão domiciliar em uma residência da cidade, na segunda-feira (10). Como as espadas foram encontradas prontas para comercialização no local, o suspeito acabou preso.

Além dessas “bombas”, a Polícia Civil encontrou:

  • 23 unidades de cano vazios envoltos em barbante;
  • 7 macetes de madeira;
  • 21 soqueiras de ferro;
  • 1 equipamento artesanal para enrolar barbante.

Todo esse material seria utilizado para confeccionar o artefato explosivo. Em meio à operação, foram apreendidos ainda seis pássaros de fauna silvestre, sendo quatro conhecidos como papa-capim, um canário e um estevão. O g1 perguntou à corporação para onde os animais foram encaminhados, mas ainda não houve retorno.

Polícia Federal apura fraude de R$ 1,3 milhão contra o INSS em Itabuna

Com o objetivo de colher provas relacionadas à concessão indevida de benefício previdenciário contra a Agência da Previdência Social do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) de Itabuna, a Polícia Federal deflagrou a Operação Time no município do sul da Bahia. O cumprimento de mandado judicial ocorreu numa parceria com a Coordenação de Inteligência Previdenciária (COINP/NUINP-BA).

De acordo com a Polícia Federal, o benefício questionado foi protocolado no dia 5 de novembro do ano passado, por meio do Meu INSS (internet), ocasião em que foram inseridos 21 anos ao tempo de contribuição de forma indevida.

Além disso, segundo a Polícia Federal, houve inclusão de outros dados falsos, para obtenção indevida da aposentadoria por tempo de contribuição, e, com base na expectativa de vida, sem computar as correções anuais, atribuindo uma média de 20 anos de vida. Calculou-se um prejuízo a ser evitado que supera R$ 1,3 milhão, conforme da PF.

Confira na íntegra esses e outros destaques no Fala Bahia desta terça-feira (11)

TAGS:

RELACIONADAS:

MAIS EM FALA BAHIA :

Ver mais em Fala Bahia