Novelas

‘A força do querer’: Eugênio fica perturbado ao conhecer Te

Te diz ao pai da amiga que é muito difícil carregar um corpo que não é seu

Agência O Globo

Ivana (Carol Duarte) vai levar Te (Tarso Brant) para Eugênio (Dan Stulbach) conhecer em “A força do querer”. A jovem espera que o pai ouvindo a história do amigo entenda o que ela está passando.

O advogado fica impactado ao ver a filha de cabelo bem curto: “Você está parecendo um menino...”. “Eu sou um menino”, corrige Ivana. Eugênio confessa a filha que não está sabendo lida com a situação. Por isso, ela diz que pediu para um amigo ir conversar com ele. Neste momento, Te chega ao escritório. “Queria que você visse ele pra entender melhor... Ele é como eu!, afirma Ivana, deixando o pai confuso. “Também pensaram que ele era uma menina quando ele nasceu! Ele tomou os hormônios, tirou os seios... passou por todo o processo que eu estou passando”, explica.

O advogado se estarrece. “É verdade... eu nasci Teresa!”, fala Te. “Eu não conheço você... Estou conhecendo você agora... Não vi você antes de... desses procedimentos todos. Mas a Ivana... Não pode ser a mesma coisa... A Ivana era uma menininha mesmo...”, diz Eugênio, impactado. “Eu também parecia uma menininha”, afirma o rapaz, mostrando sua foto antiga. “Ele também tinha seios... Tirou! Fez essa cirurgia que eu vou fazer...”, completa Ivana.

Foto: Divulgação / Bella Pinheiro / GShow

Te diz ao pai da amiga que é muito difícil carregar um corpo que não é seu. “O corpo é a identidade da gente, a identidade da gente está ali... Se você está no corpo errado as pessoas ficam sempre esperando de você o que você não é, o que você não pode ser...”. “Eu estou muito perturbado... Não sei o que pensar, não sei o que dizer, não sei o que fazer...”, confessa Eugênio. Ivana pede que o pai a ajude e dá o livro do João Nery a ele. “Lê esse livro, pai... Você vai entender tudo... Você vai lembrar de tudo o que a gente conversava quando eu te dizia que não sabia quem eu era... Ele foi a primeira pessoa que conseguiu fazer essa travessia... Se a minha mãe puder ler...”

Eugênio olha o livro, com temor, sem tocar nele. “Ivana... não me peça pra fazer nenhum acordo com você agora com essa historia de cirurgia... Não vamos falar mais disso agora...”, diz o pai, quase suplicando. “Um mês! Eu vou ficar um mês na casa do meu amigo... Daqui a um mês deu tempo de você, da minha mãe... Entenderem o que eu estou passando”, espera a jogadora de vôlei.

O advogado quer saber onde mora esse amigo, mas a filha se nega a dar qualquer contato. “Não, pai. Não! vamos ficar longe um mês... Sem discutir, sem se estressar... Nós todos estamos precisando de um tempo!”, acredita ela, que continua. “Eu só queria ser feliz, como todo mundo...” Penalizado, Eugênio garante que é tudo que ele mais quer. “Quem pode ser feliz se não puder ser o que é? Ninguém!”, constata Ivana.