Salvador

Açougueiro envolveu-se em briga de trânsito antes de ser morto no Nordeste de Amaralina

Luis Henrique pilotava a moto Yamaha JRM-5413, quando teria se envolvido em uma briga de trânsito com três homens

Leo Barsan (leo.barsan@redebahia.com.br)
- Atualizada em
O açougueiro Luis Henrique Santos Dias, 35 anos, foi morto com um tiro na nuca, ontem à tarde, na rua do Nordeste, no Nordeste de Amaralina. Este é o primeiro homicídio registrado em áreas que receberam Bases Comunitárias de Segurança em Salvador.

O Complexo do Nordeste, que além do Nordeste de Amaralina compreende Santa Cruz, Vale das Pedrinhas e Chapada do Rio Vermelho, foi contemplado com três bases no final de setembro.

O último homicídio na região havia sido registrado no dia 29 de agosto, quando João Flávio Lima Santos de Jesus, 27, foi morto com três tiros, no Vale das Pedrinhas. A comandante das bases do Nordeste, capitão Roseane Guimarães, foi procurada, mas não atendeu às ligações.

No Calabar, o primeiro bairro que teve uma base instalada, nenhum homicídio ou tentativa foram registrados em seis meses. Ontem, segundo testemunhas, Luis Henrique pilotava a moto Yamaha JRM-5413, quando teria se envolvido em uma briga de trânsito com três homens que estavam na Eco sport preta JPQ-0962.

“Eles pararam para discutir. Um dos ocupantes do carro desceu armado e o rapaz tentou sair do local, na contramão, quando foi atingido pelo tiro”, relatou um morador, sem se identificar. Após ser baleado, Luis Henrique perdeu a direção da moto e bateu em uma Saveiro estacionada na rua.

Segundo o delegado Luciano Lima, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), os três ocupantes da Ecosport são criminosos. “O carro foi roubado hoje (ontem) de manhã, no Rio Vermelho. Suspeitamos de briga de trânsito, mas não descartamos outras hipóteses”, afirma.

O veículo usado pelos bandidos foi abandonado na rua Durval Fraga, perto do local do crime. “Os caras largaram o carro e desceram com pistolas na mão. São traficantes aqui do Nordeste”, disse uma moradora. “Já identificamos dois suspeitos, mas os nomes não serão divulgados”, disse o delegado.

Ele vai analisar as imagens do circuito de monitoramento instalados em estabelecimentos comerciais naquela rua. Agentes fizeram diligências na região, mas até o final da noite ninguém havia sido preso. Os veículos foram levados para o Departamento de Polícia Técnica (DPT). O corpo de Luis Henrique permanece no IML.