Salvador

Jorge Ben Jor é alvo de protestos de mulheres em show na Bahia

O grupo “Capoeira das mulheres” se manifestou nas redes sociais criticando não só a brincadeira, como o perfil das mulheres escolhidas pela produção

Agência O Globo

Durante uma apresentação na Concha Acústica do Teatro Castro Alves, em Salvador (BA), Jorge Ben Jor foi alvo de protestos de mulheres. Isso porque, ao começar a tocar a música “Gostosa”, a produção convidou mulheres para dançarem com ele no palco. Mas todas as nove escolhidas eram brancas e magras, o que causou revolta da plateia, que gritou: “Cadê as pretas?” e também “sexista”. Logo duas mulheres invadiram o palco, para deixá-lo mais diverso.



“Vem com calma, estou chamando as meninas. A festa é das mulheres”, disse o cantor, que ao ter o palco mais cheio, tentou levar no bom humor: “Todo mundo vai ter que rebolar aqui em cima”.

O grupo “Capoeira das mulheres” se manifestou nas redes sociais criticando não só a brincadeira, como o perfil das mulheres escolhidas pela produção.

“A brincadeira, que é sexista por si só é poderia ser evitada, também gera outro problema - o perfil das mulheres que o cara da produção entende como sendo gostosas - as nove meninas que subiram ao palco eram magras e brancas. Cadê as pretas? Cadê as gordas? Cadê a diversidade de gostosas no palco? Nada. Acontece que quando o cara passou e escolheu uma menina que estava bem perto de nós, essa negra linda aí da foto pediu a pulseirinha a ele e ele disse, claramente: “Você? Você não”. Eu ouvi. Ela reagiu: “Oxe, pq eu não?”. Pois foi só a música começar que essa preta parou o show para mostrar que #vaiterpretasim e #vaitergordasim por que #somostodasgostosas”, disse o coletivo, ao exibir fotos de uma das responsáveis pelo protesto contra o cantor.

Cadê as pretas? Cadê as pretas? Gritávamos, todas. Não é sobre capoeira, mas é sobre ser #mulher e ser #gostosa, por isso vou contar para vocês. Ontem, na apresentação maravilhosa de #jorgebenjor em Salvador, rolou treta das boas. Segundo o próprio cantor, há 15 anos a produção do show escolhe “mulheres gostosas” para subir ao palco e dançar com o Jorge na apresentação da música “Gostosa”. A brincadeira, que é sexista por si só é poderia ser evitada, também gera outro problema - o perfil das mulheres que o cara da produção entende como sendo gostosas - as nove meninas que subiram ao palco eram magras e brancas. Cadê as pretas? Cadê as gordas? Cadê a diversidade de gostosas no palco? Nada. Acontece que quando o cara passou e escolheu uma menina que estava bem perto de nós, essa negra linda aí da foto pediu a pulseirinha a ele e ele disse, claramente: “Você? Você não”. Eu ouvi. Ela reagiu: “Oxe, pq eu não?”. Pois foi só a música começar que essa preta parou o show para mostrar que #vaiterpretasim e #vaitergordasim por que #somostodasgostosas. Eu espero que tenha ficado a lição para esse povo - não vamos mais aceitar a reprodução desses padrões de beleza. Eu fiquei muito feliz e saí de lá transbordando não só pela ocupação do espaço, mas também pelo show maravilhoso. Mas, é preciso ressaltar, preferia mesmo que eles não repetissem mais a brincadeirinha sexista. #sexismo #conchaacustica #tca #salvador #racismo #capoeiramulher

Uma publicação compartilhada por Capoeira Mulher (@capoeiramulher) em