Saúde

Cabelo caindo mais na quarentena? Especialista explica causas

Quando um fio se desprende pode ficar emaranhado com o resto do cabelo. Eles costumam se soltar nos momentos de prender ou soltar o cabelo, durante o ato de pentear e na lavagem

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Acha que seu cabelo tem caído mais nesta quarentena? Calma, a dermatologista Marília Acioli, Clínica Osmilto Brandão, esclareceu que uma pessoa pode perder por dia de 100 a 150 deles. Para a especialista, o fato de estarmos restritos à casa traz a sensação de maior incidência de queda. “Normalmente, ao longo do dia, perdemos fios no banheiro, no trabalho, no carro, na academia, etc".

“A queda de cabelo é absolutamente normal. Cada pessoa tem um padrão de renovação do cabelo e o que eu oriento que os pacientes observem é se houve uma mudança brusca”, explica Marília. 

De acordo com Marília, existem dois fatores predominantes que podem ocasionar a alteração do padrão de queda nessa quarentena. O primeiro motivo é a mudança na alimentação. “A deficiência de vitaminas e minerais vai interferir no crescimento do cabelo e pode, sim, ocasionar queda”. O segundo motivo é o estresse. “Não existe nenhuma pessoa que nesse momento não esteja passando por algum nível de estresse. A saúde mental como um todo, pode interferir também nisso”.  

Quando um fio se desprende pode ficar emaranhado com o resto do cabelo. Eles costumam se soltar nos momentos de prender ou soltar o cabelo, durante o ato de pentear e na lavagem. Isso é mais visível para quem tem cabelo cacheado, já que percebe mais nitidamente essa queda ao lavar os fios. “As pessoas têm a impressão de que lavar o cabelo faz os fios caírem, mas não é verdade. Na lavagem você consegue ver a quantidade de fios que perdeu ao longo dos dias. 

A dermatologista também chama a atenção para outro fator que pode favorecer o processo de queda, que é uma higiene inadequada do couro cabeludo.  Doenças agudas, cirurgia, febre, gripe intensa e até mesmo dietas muito restritivas são fatores que também podem causar uma queda pontual. “Mas isso não é sentido na hora, ocorre normalmente três meses depois, que é o tempo de renovação de cabelo”, comenta a dermatologista. 

Outro ponto importante é diferenciar a queda da quebra. A queda de cabelo acontece quando é possível identificar o fio por completo, inclusive com aquela “pontinha branca”. Se esse não for o caso, o que está acontecendo, na verdade, é uma ruptura. “Se há um aumento da quebra é porque tem algo errado com a fibra do cabelo. Pode ser que esteja fragilizado pela química, por dano térmico, como chapinha, ou algum outro fator como prender ou esticar demais o cabelo”, comenta a dermatologista. 

Calvície 

Marília Acioli elucida que tanto o homem quanto a mulher podem carregar o gene da calvície. Normalmente, nas mulheres isso acontece após a menopausa, devido à diminuição dos hormônios. Ela também chama a atenção para o fato de que algumas mulheres podem manifestar a calvície antes desse período por causa da genética intensa ou alterações hormonais. 

A mulher não chega a ficar calva, mas o cabelo vai esvaziando aos poucos e ela nota que que está enxergando mais o couro cabeludo. Para os homens, um jeito fácil de perceber se está passando por esse processo é comparar as fotografias antigas e perceber se a testa e as entradas de cabelo vão ficando maiores com o passar do tempo. 

A dermatologista chama a atenção para a importância de procurar ajuda de um dermatologista no caso da queda de cabelo ser maior do que o normal e não fazer tratamentos por conta própria. “A avaliação médica é muito importante, pois a queda de cabelo pode ser o indicativo de uma doença mais grave. A automedicação pode acabar postergando o diagnóstico e tratamento adequado”, afirma.