Saúde

Cientistas afirmam: sêmen tem componentes antidepressivos

Os estudos realizados mostram que o sexo age no cérebro com o mesmo efeito de uma droga; Quando mais prazer a pessoa sente, mais deseja sentir

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Que sexo é bom e saudável, todo mundo já sabe, mas os cientistas continuam com descobertas incríveis sobre os benefícios da prática para a vida do ser humano. De acordo com os estudos divulgados, o prazer sexual  no cérebro apresenta os efeitos muito parecidos com o de uma droga. Ou seja, quanto mais prazer a pessoa sente, mais ela deseja sentir. Isso porque o bem estar gerado libera o neurotransmissor dopamina, que alerta o centro de recompensa no cérebro.


Além disso, pesquisas de 2002 da Universidade da Albânia, mostraram que o sêmen tem componentes com poder antidepressivo. Para o estudo, foram entrevistadas 300 mulheres sobre os aspectos sexual e emocional. A conclusão foi que aquelas que fizeram sexo com preservativos apresentavam sinais de depressão. O fato fez os pesquisadores suporem que elementos como estrogênio e prostaglandina, presentes no sêmen, carregam propriedades antidepressivas. Mas isso não é desculpa para se relacionar sem camisinha, afinal, é apenas uma suposição e os danos de doenças sexualmente contraídas podem gerar muito mais depressão, não é verdade?


Outra indicação científica envolve a melhora da memória. No ano de 2010, um estudo feito com ratinhos que copulavam uma vez por dia durante 14 dias seguidos apontou que os bichinhos ficaram com uma excelente memória e até conseguiram aumentar a produção de neurônios no hipocampo (região do cérebro ligado à memória). Outras avaliações foram feitas e os resultados deram sempre positivos, mas ainda não existe comprovação para os humanos. Fontes: Catraca e Mega Curioso.