Brasil

Casal de amantes é preso suspeito de mandar matar marido por R$ 50

Quando encontrou o corpo do marido, Luciene apenas ligou para o irmão da vítima e disse que iria dormir, pois estava muito cansada

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Uma mulher e um homem, que seriam amantes, foram presos acusados de encomendarem a morte do marido dela pelo valor de R$ 50. O preço seria destinado para pagar o transporte dos executores. O caso aconteceu em Belo Horizonte (MG). As informações são do G1 Minas Gerais.

Luciene (direita) é suspeita de mandar matar o marido (esquerda)/ Foto: Divulgação/Polícia Civil
Ao G1, a delegada do caso explicou que que Luciene Araújo da Silva, de 37 anos, era casada com Joaniz Divino De Almeida, de 32 anos, mas mantinha um relacionamento extraconjugal com Samuel da Paixão, de 18 anos, há cerca de  seis meses. Ao amante, ela dizia que era agredida pelo marido diversas vezes.

Ainda segundo a delegada Bianca Mondaini, Luciane teria encomendado a morte do marido por causa de um seguro de vida no valor de R$ 30 mil e um casa que pertencia ao casal que vale em torno de R$ 500 mil.

A suspeita teria pedido ao amante para matar o marido mas, como ele não tinha coragem de cometer o homicídio, contratou dois executores conhecidos para assassinar Joaniz. O valor de R$ 50 foi dado para pagar o transporte destes dois homens.
Samuel, amante de Luciene, teria contratado dois homens para cometer o crime (foto: Reprodução/TV Globo)
No dia do crime, que ocorreu no dois de julho (mesmo dia em que o casal foi preso), Luciene contou à polícia que a casa onde morava com o marido foi invadida por criminosos que obrigaram a sair do local.

Porém, de acordo com as investigações da polícia, Luciene saiu da residência e parou em um bar para beber e comprou um guarda-roupa em seguida. Quando ela retornou para a casa, encontrou o corpo do marido, mas não acionou nenhuma autoridade. Ela apenas ligou para o irmão da vítima e disse que iria dormir, pois estava muito cansada.

À polícia, Samuel confirmou que contratou os dois homens para matar Joaniz e alegou que tinha uma 'amizade colorida' com a suspeita. Ele negou ter participado efetivamente do homicídio.

Se condenada, Luciene pode pegar 12 a 30 anos de prisão por homicídio triplamente qualificado.