Brasil

Conheça os aplicativos mais baixados durante a quarentena

Hoje, muitos apps que não estavam no radar dos usuários estão no topo das listas de mais baixados

Agência O Globo
- Atualizada em

Chegou o dia em que nos tornamos totalmente dependentes do mundo digital. Com o autoisolamento dos que podem ficar em casa, recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para diminuir o contágio da Covid-19, aplicativos para smartphones e tablets são os atuais meios de sobrevivência social.

Hoje, muitos apps que não estavam no radar dos usuários estão no topo das listas de mais baixados. Mas não é só isso: enquanto o mercado financeiro sofre globalmente com a crise, as ações de algumas das plataformas de encontros se valorizam. Segundo dados da NASDAQ, o aplicativo de videoconferência Zoom, por exemplo, teve uma valorização de 120% neste ano e hoje a empresa está cotada em cerca de US$ 38 bilhões. Para realizar reuniões de trabalho, brincar com os amigos via jogos on-line ou compartilhar conteúdos criativos, conheça as plataformas que lideram a atenção mundial desde que o planeta entrou em quarentena.

Gartic 

Lembra-se do clássico jogo Imagem & Ação? Esse aplicativo tem a mesma proposta: um participante recebe uma palavra para desenhar e o outro tem o desafio de adivinhar qual é. A plataforma permite até 50 pessoas brincando ao mesmo tempo e o competidor que acertar o maior número de jogadas vence. O game lidera o ranking de jogos mais baixados durante a quarentena e é recomendado para maiores de 4 anos.

Uno 

Os fãs do jogo de cartas da Mattel ficaram saltitantes quando, em 2018, a versão para smartphones veio à tona. O aplicativo agora está mais em alta ainda. Tem versões em 11 línguas, e permite aos jogadores enfrentarem competidores do mundo todo, participando de torneios, ou até chamando um amigo para os jogos de duplas.

8 Ball Pool 

O jogo de sinuca criado em 2013 está dando o que falar durante a quarentena. O game permite competições com duas pessoas e torneios de até 8 jogadores, sendo amigos do Facebook ou desconhecidos. O aplicativo fornece moedas virtuais para cada partida vencida e os participantes podem usar os “pool coins” para entrar em competições de escalões maiores.

Tik Tok 

O aplicativo de origem chinesa cria e compartilha vídeos curtos. Recomendada para maiores de 12 anos, a plataforma fez a cabeça dos millennials no ano passado com as possibilidades infinitas de produções de memes, edições com músicas e brincadeiras. Hoje, está entre as redes sociais com o maior número de usuários no mundo, chegando a 1,5 bilhão de downloads. Entre os segredos para o sucesso do aplicativo está a personalização automática do conteúdo para cada usuário, gerada a partir dos vídeos que ele mais curte e interage.

Houseparty 

Com o isolamento dos que podem ficar em casa para conter a Covid-19, o aplicativo de encontros festivos via vídeo-conferência tornou-se o quinto mais baixado na App Store brasileira, somando 10 milhões de downloads no mundo. Na última segunda (30), no entanto, usuários da plataforma começaram a acusá-la de roubar suas senhas pessoais de outros apps. Segundo eles, contas de streaming, como Netflix e Spotify teriam sido hackeadas. A Houseparty nega a acusação e afirma que não coleta dados de outros serviços. Na dúvida, melhor esperar a polêmica baixar.

Live no Instagram 

É fato que o aplicativo comprado pelo Facebook é uma das mídias sociais mais usadas dos últimos anos. Mas no mês de março, com a nova dinâmica da quarentena, um recurso interno do app ganhou os holofotes: as lives. O conteúdo 'ao vivo' para divulgação de informações, troca de experiências e até shows de artistas renomados nunca foi tão explorado. O recorde mundial de pessoas simultâneas assistindo a uma live foi batido no sábado retrasado (4) com show do Jorge e Mateus, que teve mais de 3,1 milhões espectadores ao mesmo tempo.

Zoom cloud meetings 

Fundada em 2011, a start-up californiana direcionada ao mercado corporativo tem o objetivo de conectar equipes em reuniões a distância. O aplicativo é a opção mais baixada para o home office atualmente, com mais de 17 milhões de downloads só neste mês. Desde janeiro, as ações da empresa valorizaram 120%. Diferentemente de outros apps, que têm o número reduzido de participantes simultâneos, a ferramenta permite até 100 integrantes no vídeo, em tempo real. Na versão paga, esse número passa para 500, com a possibilidade de 10 mil espectadores no modo webinar. Recentemente, veio à tona uma polêmica envolvendo o aplicativo em relação à venda de dados dos usuários. A empresa se desculpou pelas falhas e reforçou ações de transparência. Mesmo assim, os números de downloads não cessaram.

Microsoft teams 

Também usada para conteúdos relacionados a empresas, a plataforma possibilita conversas via vídeo ou chats e armazenamento de arquivos com o objetivo de gerar engajamento entre funcionários. O app é o queridinho do momento para realizações de trabalhos em equipe, permitindo a edição de textos e outros programas da Microsoft. A desvantagem do aplicativo é que requer do usuário a compra do pacote Office 365, mas fornece o uso de teste gratuito para quem quiser explorar a ferramenta, e está disponível em mais de 47 línguas.

Google classroom 

Aplicativo gratuito com foco em educação, foi criado em 2014 com a proposta inicial de economizar tempo e diminuir o lixo gerado com papel. Neste momento de quarentena, a plataforma está possibilitando a conexão entre alunos e professores, facilitando o aprendizado a distância. Com o uso do app, escolas estão tornando as suas salas de aula virtuais. Além dos colegas de classe terem a possibilidade de trocar informações entre si, os recursos permitem que os instrutores compartilhem documentos e passem lições de casa com facilidade.