Brasil

PM demite capitão após condenação por estupro de netas

Antônio Mariano Corrêa negou as acusações e afirmou que “foi o diabo que colocou isso na cabeça das meninas”

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

O capitão reformado da Polícia Militar de São Paulo, identificado como Antônio Mariano Corrêa, 95, foi demitido da corporação após ser condenado por estuprar as netas, que na época dos abusos tinham 7 e 8 anos. A demissão foi publicada no Diário Oficial do estado em 31 de dezembro. As informações são do UOL. 

A sentença do crime, que aconteceu em 2013, foi assinada em setembro de 2019, mas o homem continuava recebendo o salário de PM, cerca de R$ 14,5 mil. Após a demissão, ele deixa de ser policial reformado, mas segue funcionário do estado. Antônio Mariano Corrêa cumprirá os 17 anos de prisão em regime domiciliar no interior de São Paulo. 

Em juízo, Antônio Mariano Corrêa negou as acusações e afirmou que “foi o diabo que colocou isso na cabeça das meninas” e que “as crianças de hoje não admitem serem repreendidas”.

As crianças revelaram o abuso sexual para a mãe após assistirem uma notícia na televisão sobre a prisão de um estuprador de crianças. Elas passaram por um estudo psicossocial que apontou que as meninas apresentaram relatos pontuais sobre os abusos sofridos na semana em que elas ficaram na casa dos avós paternos por uma semana enquanto os pais viajavam.