Salvador

Mais de um mês depois, como está o Uber em Salvador?

Aplicativo de transporte particular virou febre nos últimos meses no país e chegou a Salvador em abril. Enquanto serviço cresce, prefeitura mantém proibição

Luiz Fábio Almeida* (luiz.almeida@redebahia.com.br)
- Atualizada em

Em funcionamento há pouco mais de um mês em Salvador, o Uber se tornou uma nova opção aos baianos como transporte na cidade. No entanto, o aplicativo segue em conflito com a Prefeitura e Câmara dos Vereadores do município, que aprovou por unanimidade o projeto de lei que prevê a proibição do serviço na capital. Desde sua implantação, seis carros cadastrados no sistema foram apreendidos enquanto faziam o transporte particular, segundo informações da Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob).Apesar da ameaça do poder público, motoristas continuam fazendo o transporte em Salvador e têm recebido elogios dos passageiros, como é o caso do professor de Educação Física Álvaro Silva, de 38 anos. "Já havia utilizado o serviço em São Paulo e decidi testar aqui na cidade. Fui bem atendido pelo motorista e recomendo. Espero que ele passe a ser permitido", afirmou o professor ao iBahia. Silva ainda revelou que gastava mais da metade com táxi para fazer o mesmo trecho e que teve um desconto por essa ter sido sua primeira viagem com o software.

Apesar da "negativa" da Câmara dos Vereadores de Salvador, serviço segue operando na cidade.
(Foto: Divulgação)

A estudante de Direito Fernanda Araújo, 28, também elogiou o serviço, que utilizou para ser transportada da avenida Bonocô ao bairro do Comércio, no começo desse mês. "O interessante é que o motorista chegou bem rápido e ainda tive a oportunidade de acompanhar pelo celular se ele estava chegando para me buscar. Nunca fui de usar muito o táxi, mas me empolguei para saber como funcionava o Uber e gostei", contou.Em contato com o iBahia, a assessoria de comunicação do Uber revelou que o aplicativo conta com mais de 10 mil motoristas disponíveis e 1 milhão de usuários cadastrados nas 11 cidades brasileiras em que o serviço estão em operação. Em Salvador, o credenciamento de carros foi iniciado em março. A empresa não especificou a quantidade de carros disponíveis até o momento na capital baiana.O secretário da Semob, Fábio Mota, afirmou que a proibição do serviço na cidade segue a Leia Nacional de Mobilidade Urbana."São descritos na legislação apenas dois tipos de transporte privado de passageiros, que são os táxis convencionais e os executivos. Além do mais, Salvador, com uma frota de 6.950 táxis comuns e 200 executivos, já possui a quantidade de veículos adequada à população", pontuou.O titular da pasta também afirmou que não há previsão para a regulamentação do Uber na capital baiana: "Por enquanto, acreditamos que a frota atual atende perfeitamente as necessidades da cidade". Já o Uber afirmou que está "sempre em contato com todas as esferas do poder público".

Primeira apreensão de um carro da Uber aconteceu no dia seguinte do início do serviço na cidade
(Foto: Divulgação/ Agecom)

Multa e apreensão

O condutor que for flagrado realizando o transporte particular pode ser multado em R$ 240,50, o que equivale a 50 bandeiradas do táxi. Além disso, segundo a Semob, o motorista paga multa pela remoção do veículo, que varia de R$ 309,27 a R$ 804,09 (a depender do porte), e diária no pátio da Transalvador, que vai de R$ 49,48 a R$ 841,21.A primeira apreensão da pasta municipal de um veículo em serviço pelo aplicativo aconteceu no dia 8 de abril. O veículo, um HB20 Sedan, foi detido pelos fiscais em operação contra os clandestinos montada na região do Dique do Tororó. Neste caso, o motorista conduziu o veículo até o pátio de forma espontânea, após ser flagrado praticando o crime, e não teve que pagar pela remoção. O portal entrou em contato com alguns motoristas que são oferecidos pelo aplicativo, mas não obteve resposta até o fechamento desta matéria.'Preço dinâmico' Uber e queixas de usuários
Apesar da novidade e da promessa de menos custo em transporte, o Uber não é só flores, segundo alguns usuários. Para momentos de alta demanda, a empresa criou o preço dinâmico. Ou seja, o valor da corrida chega a ser triplicado. De acordo com o aplicativo, esta é a estratégia para estimular o aumento do número de motoristas. "Usei o Uber pela primeira vez no Recife. Sem muita experiência, paguei R$60 corrida que deveria sair por R$20. A cada cinco minutos, o valor altera, podendo aumentar, diminuir ou voltar ao normal. Para quem tem compromisso e precisa chegar no horário, não dá pra ficar esperando o preço cair. Eu peguei um táxi", conta Rafael Sena, editor-chefe do Portal iBahia.  Táxi x Uber
Em Salvador, os taxistas cobram bandeirada de R$ 4,81 somado ao valor da bandeira 1 (custando R$ 2,42 por km rodado) ou a bandeira 2 (R$ 3,38). No Uber, a tarifa base é de R$ 2,50 e o quilômetro rodado sai a R$ 1,21. Entre os requisitos dos carros estão que eles precisam ser novos (a partir de 2008), ter no mínimo quatro portas e possuir ar-condicionado. Além disso, o valor mínimo para utilizar o carro particular é de R$ 6.

Foto: Reprodução/ Aplicativo Uber

De acordo com o Uber, a ideia é que os usuários possam conseguir um motorista pelo aplicativo em até cinco minutos e pontuou que os condutores não tem a obrigação de horários de trabalho. "Eles podem continuar com a rotina normal e trabalham como motoristas na hora que quiserem", afirma a empresa.*Sob supervisão de Rafael Sena