Futebol

Ex-Vitória se naturaliza chinês e até muda de nome

Jogador é o primeiro jogador sem descendência chinesa a ser convocado para a seleção do país

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

O atacante Elkeson, revelado nas divisões de base do Vitória, abdicou da cidadania brasileira e se tornou cidadão chinês. Com o novo passaporte, o jogador foi chamado nesta quarta-feira (21) para defender a seleção do novo país, em pré-lista de 35 nomes divulgada pelo técnico Marcelo Lippi.

Foto: Reprodução/Sina.com

Com a mudança de nacionalidade, Elkeson passa a ter um novo nome: Ai Kesen. Ele abdicou da cidadania brasileira pelo fato de a lei chinesa não permitir que um cidadão tenha dupla nacionalidade. Foi o primeiro jogador sem nenhuma descendência chinesa na história a ser convocado pela seleção do país. Antes dele, o inglês Nico Yennaris se naturalizou para defender a China, mas a mãe dele tinha nascido lá.

O atacante publicou no Instagram uma mensagem de agradecimento ao carinho dado pelo povo chinês desde que ele desembarcou no país, em 2013.

Ver essa foto no Instagram

Em 2013, ano dessa foto aí em cima, desembarquei na China. Um país em que apostava no desenvolvimento do futebol, até então desconhecido para boa parte do mundo, e que só havia participado de uma Copa do Mundo. Foi uma aposta, mas cheguei muito confiante no projeto do Guangzhou Evergrande e com muita vontade de fazer história. E as coisas aconteceram muito rápido. Nos três primeiros anos, fui tricampeão chinês e bicampeão da Champions League da Ásia. Artilheiro da Superliga em duas ocasiões, uma delas com o recorde de gols em uma edição, que segue até hoje. Além de ter sido eleito futebolista do ano de 2014. Foram muitas conquistas. Mas precisava de um novo desafio, queria ver até onde eu podia chegar. Em 2016, fui para o Shanghai SIPG, time que tinha acabado de subir para a primeira divisão e que tinha um projeto ambicioso. Foram três anos e meio, dois títulos, os primeiros do clube, e 116 jogos. Mais uma etapa de sucesso concluída. Mas eu queria mais. Queria retribuir todo o carinho que o povo Chinês meu deu nesses sete anos. Me sentia à vontade na China, como se tivesse nascido no país. Foi aí que chegou até a mim uma possibilidade desafiadora, mas que me deixou com a certeza de que seria o próximo passo a ser dado. A volta para o Guangzhou Evergrande, time que abriu as portas do país para mim, e a naturalização, para que eu ajude a seleção chinesa a disputar mais uma Copa do Mundo. Hoje, comunico a todos que, oficialmente, embarquei nesse desafio. Abri mão da minha nacionalidade para tentar retribuir todo o carinho que recebo aqui desde a minha chegada. Estou muito animado e empolgado. Conto com a torcida de vocês. Forte abraço, Ai Kesen 艾克森 ????????

Uma publicação compartilhada por Elkeson Cardoso 艾克森 (@official_elkeson09) em



Elkeson foi revelado na base do Vitória e subiu ao time profissional em 2009. Foram 99 jogos como jogador rubro negro e 18 gols marcados. Em 2011, deixou a Toca do Leão para atuar no Botafogo e, dois anos depois, partiu para a China para defender o Guangzhou Evergrande. Em 2016, foi contratado pelo Shanghai SIPG e no início deste ano voltou a defender as cores do Guangzhou. Ele acumula quatro títulos de campeonato chinês e dois da Liga dos Campeões asiática.

Ver essa foto no Instagram

Em 2013, ano dessa foto aí em cima, desembarquei na China. Um país em que apostava no desenvolvimento do futebol, até então desconhecido para boa parte do mundo, e que só havia participado de uma Copa do Mundo. Foi uma aposta, mas cheguei muito confiante no projeto do Guangzhou Evergrande e com muita vontade de fazer história. E as coisas aconteceram muito rápido. Nos três primeiros anos, fui tricampeão chinês e bicampeão da Champions League da Ásia. Artilheiro da Superliga em duas ocasiões, uma delas com o recorde de gols em uma edição, que segue até hoje. Além de ter sido eleito futebolista do ano de 2014. Foram muitas conquistas. Mas precisava de um novo desafio, queria ver até onde eu podia chegar. Em 2016, fui para o Shanghai SIPG, time que tinha acabado de subir para a primeira divisão e que tinha um projeto ambicioso. Foram três anos e meio, dois títulos, os primeiros do clube, e 116 jogos. Mais uma etapa de sucesso concluída. Mas eu queria mais. Queria retribuir todo o carinho que o povo Chinês meu deu nesses sete anos. Me sentia à vontade na China, como se tivesse nascido no país. Foi aí que chegou até a mim uma possibilidade desafiadora, mas que me deixou com a certeza de que seria o próximo passo a ser dado. A volta para o Guangzhou Evergrande, time que abriu as portas do país para mim, e a naturalização, para que eu ajude a seleção chinesa a disputar mais uma Copa do Mundo. Hoje, comunico a todos que, oficialmente, embarquei nesse desafio. Abri mão da minha nacionalidade para tentar retribuir todo o carinho que recebo aqui desde a minha chegada. Estou muito animado e empolgado. Conto com a torcida de vocês. Forte abraço, Ai Kesen 艾克森 ????????

Uma publicação compartilhada por Elkeson Cardoso 艾克森 (@official_elkeson09) em