Perfil

Marília Mendonça

Nascida em 22 de julho de 1995, na cidade de Cristianópolis (GO), a artista já demonstrava talento para música desde os 12 anos

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Fã de sertanejo ou não, é muito difícil encontrar alguém que nunca tenha ouvido falar na rainha da sofrência: cantora, compositora e instrumentista, Marília Dias Mendonça é um dos principais nomes do estilo sertanejo no Brasil. Nascida em 22 de julho de 1995, na cidade de Cristianópolis (GO), a artista já demonstrava talento para música desde os 12 anos, quando começou a realizar apresentações na igreja que frequentava e a compor músicas, como ‘Minha Herança’, e ‘Vai Ter Balanga’, que se popularizaram nas vozes de João Neto e Frederico. Na infância, ela começou a se apresentar para clientes e amigos no bar que pertencia aos pais, chamado “Cantinho da Viola”.

Antes mesmo de ter a voz liderando as grandes plataformas de música do Brasil, Marília Mendonça já havia consolidado a carreira como compositora. Os hits “É com Ela Que Eu Estou”, de Cristiano Araújo, “Até Você Voltar” e “Cuida Bem Dela” de Henrique & Juliano foram  compostos pela rainha da sofrência.

Em meados de 2015, a goiana saiu do anonimato para os palcos: ela lançou o primeiro single, “Impasse”, também com a dupla Henrique & Juliano. No ano seguinte, lançou o primeiro DVD: Marília Mendonça - Ao Vivo, que consagrou o hit “Infiel” como um dos mais tocados de 2016.

Nas próprias canções, Marília fala sobre amores não correspondidos, carências e traições dentro do universo feminino, que a renderam o apelido de “Rainha da sofrência”. Ela emplaca uma das principais vozes do "feminejo", tipo de música sertaneja feita por mulheres e voltadas para mulheres em um estilo musical inicialmente dominado por homens. Mesmo que de maneira indireta, as letras falam sobre amor próprio e empoderamento. Um exemplo desse papel prestado por Marília é o hit “A culpa é dele”, lançado em parceria com Maiara e Maraísa, que fala sobre sororidade, machismo e união, como “Não vou deixar de ser sua amiga por causa de um qualquer que não respeita uma mulher”.

Em outubro de 2016, a cantora lançou o DVD “Realidade”, que incluiu o single "Eu sei de Cor", líder do ranking Brasil Hot Airplay em seis semanas consecutivas durante o ano. Dentre as obras de sucesso da artista, destaca-se também a turnê “Todos os cantos”. Lançado em fevereiro de 2020, o álbum homônimo, que contou com canções como “Amigo emprestado” e “Sem Sal”,  incluiu shows realizados gratuitamente nas 27 capitais brasileiras e foi vencedor do Grammy Latino na categoria Melhor Álbum de Música Sertaneja em 2019.

No auge da carreira e com a rotina cheia, Marília revelou que perdeu o controle da alimentação, passou a beber mais e a consumir mais guloseimas. A goiana não somente passou a ser alvo de críticas pelo ganho de peso, mas também teve a saúde profundamente afetada: taxas de colesterol alteradas, gordura no fígado e insônia. Diante disso, ela procurou ajuda profissional, passou por um processo de reeducação alimentar e conseguiu emagrecer cerca de 20 kg, em seis meses.

Marília também coleciona duetos e participações especiais com artistas brasileiros para além do sertanejo, como Léo Santana, Gaab e Tribo de Periferia. A artista também emplacou canções em novelas, como “Bebi, liguei”, tema de Vivi Guedes e Chiclete em ‘A Dona do Pedaço’, exibida pela TV Globo, em 2019. No mesmo ano, a plataforma de streaming Globoplay lançou um série chamada “Todos os cantos”, que detalha os bastidores da turnê, desde a chegada da artista nas cidades até depoimentos de amigos, familiares e colegas de profissão.

A cantora ficou noiva do empresário Yugnir Ângelo em dezembro de 2016. No entanto, o noivado chegou ao fim em 2017 porque, de acordo com Rainha da Sofrência, era muito nova para dar um passo tão grande na vida. Em maio de 2019, ela assumiu o namoro com o também sertanejo Murilo Huff e, em dezembro, nasceu o primeiro filho dos dois, o pequeno Leo. Em julho de 2020, o até então casal anunciou o fim do relacionamento. De acordo com a também compositora, o término “não teve nada a ver com ciúmes, com traição”.  

Além de premiações internacionais como o Grammy Latino, Marília coleciona indicações e vitórias no Troféu Imprensa, Prêmio Contigo, Melhores do Ano e Prêmio Multishow de música brasileira. Ela já desbancou a própria Lady Gaga e outros artistas internacionais no Youtube, com mais de 11 bilhões de visualizações.  Ela também chegou a ocupar a 13ª posição no ranking mundial dos artistas mais ouvidos Billboard. Muita mais do que um fenômeno do sertanejo,  Marília canta o que o povo sente. Afinal, como diria a própria, “Se amar assim for brega, me chame de Marília Mendonça”.