Salvador

Mutirão de voluntários planta 24 mudas de árvores no Itaigara

Apesar da iniciativa reunir cada vez mais voluntários, alguns moradores da região resistem em participar e até autorizar o plantio em frente ao seu prédio

Laura Fernandes (laura.fernandes@redebahia.com.br)
Há seis anos, cirurgião plástico Mario Amici, 48 anos, foi acordado com o barulho de uma motosserra derrubando uma árvore. Indignado, carregou a filha de um ano no colo para ver o que acontecia na rua perto de casa e foi recebido por uma empresa que  desmatava para fazer um estande de vendas. Depois de argumentar contra, ouviu em resposta: “aqui você não apita nada”.

Decidido a ter voz,  criou a Apita – Amigos pelo Itaigara, associação que defende a arborização da cidade e que, ontem pela manhã, promoveu um mutirão com  25 voluntários. O grupo plantou, entre ipê, jacarandá, pau-ferro, felício e sibiporina,  24 mudas de árvores no Alto do Itaigara.

“Estou criando espaços de convivência e embelezando a cidade”, justificou Mario, durante a ação,  que contemplou cerca de 300 metros de área. O projeto, que tem apoio da Secis (Secretaria da Cidade Sustentável), já arborizou cerca de 2 mil metros de calçadas.

Apesar da iniciativa reunir cada vez mais voluntários, alguns moradores da região resistem em autorizar o plantio por acreditarem que as árvores atrapalham a visão, trazendo  insegurança, além de modificar a fachada dos edifícios.

“É ignorância”, bradou uma voluntária do Apita. Para o historiador Ricardo Carvalho, 49, “outros objetos urbanos, como postes, ocupam  mais a visão do que  árvores”, opinou, para em seguida rebater os que temem a mudança na fachada: “como se um prédio fosse mais bonito que as árvores”.

Correio24horas