Menu Lateral Menu Lateral
iBahia > bahia
CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Censo 2022

Busca por qualidade de vida explica perda populacional de Salvador

Segundo informações do IBGE, a capital baiana foi a cidade que mais perdeu população entre todos os 5.568 municípios brasileiros

Redação iBahia • 29/06/2023 às 16:49 - há XX semanas

Google News siga o iBahia no Google News!

				
					Busca por qualidade de vida explica perda populacional de Salvador
Foto: Igor Santos/Secom

Salvador perdeu 257.651 habitantes nos últimos 12 anos. Os dados são do Censo 2022, apurados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na prática, a capital baiana foi a cidade que mais perdeu população entre todos os 5.568 municípios brasileiros. Os quase 260 mil moradores a menos representam uma fatia de 10,6% do total da população atual, que é de 2.418.005 pessoas.

Mas, qual o motivo? Segundo a instituição, a busca por mais qualidade de vida, trabalho remoto e a falta de segurança pública são fatores que ajudam a explicar a migração de migração de pessoas de grandes cidades para regiões menores.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Leia mais:

“Sabemos que houve uma mudança importantíssima na forma de viver a partir da pandemia: o teletrabalho se tornou mais comum; criaram-se ferramentas que facilitaram às pessoas morarem em um lugar e trabalhem em outro tranquilamente. Isso facilitou a busca pela qualidade de vida e por espaços mais amplos", exemplificou a supervisora de informações do IBGE, Mariana Viveiros.

A advogada Louise Mascarenhas, por exemplo, mudou de endereço exatamente neste contexto. Ela saiu de Salvador e foi para Santo Antônio de Jesus, cidade que fica localizada no Recôncavo Baiano, com atuais 103.055 moradores e ar acolhedor de interior.

"Eu e minha família mudamos em busca de melhor qualidade de vida, nas circunstância do isolamento social, para ficar mais perto de uma parte da família, que já morava aqui [Santo Antônio de Jesus]. Mudamos de um apartamento para uma casa, na qual há mais vivência social e contato, mesmo que de longe, com os vizinhos", descreveu a jovem para o g1 Bahia.

Mais oportunidades em outros espaços

Essa migração não é um movimento que atinge exclusivamente a capital baiana, mas também outras cidades brasileiras, como o Rio de Janeiro, que perdeu quase 2% de população, Belo Horizonte (-2,5%), Recife (-3,2%), Porto Alegre (-5,4%) e Belém (-6,5%).

"É um movimento que já acontece em países da Europa, nos Estados Unidos, e que revela um pouco a saturação das grandes cidades, em diversos aspectos. A gente também sabe que Salvador tem uma natalidade em queda. A gente teve, em 2021, o menor número de nascimentos em 48 anos. A cada ano vem nascendo menos crianças", destacou Mariana.

A falta de oportunidades de emprego também gera a migração de habitantes. Só que, diferentemente do período entre as décadas de 1960 e 1980, quando houve o pico do êxodo rural brasileiro e a evasão em direção às cidades grandes, agora há um movimento reverso.

Luís Eduardo Magalhães foi a cidade interiorana para onde mais se migrou na Bahia, com 79,5% de alta populacional. O crescimento do oeste baiano, como um todo, se deve ao avanço da região como polo de produção agrícola O município é, inclusive, o maior exportador de grãos do estado baiano.

Mariana Viveiros explica que a alta não se trata de um crescimento vegetativo, que é o indicador responsável pela diferença entre nascimentos e mortes, mas sim um avanço migratório, da chegada de pessoas para habitar a cidade.

“As pessoas se mudam por segurança, emprego, condições de vida, qualidade de vida. Tudo isso interfere nas decisões das pessoas, das famílias, de se mudarem. As cidades que têm um dinamismo econômico maior, que oferecem alternativas de trabalho e de estudo, elas costumam ser atrativas para as populações, então elas costumam atrair migrantes, e é o caso de Luís Eduardo Magalhães”.

Venha para a comunidade IBahia
Venha para a comunidade IBahia

TAGS:

RELACIONADAS:

MAIS EM BAHIA :

Ver mais em Bahia