Casos de dengue crescem 44,8% na Bahia em relação a 2021


Foto: Reprodução

Os casos de dengue, chikungunya e zika cresceram na Bahia no período de janeiro a setembro de 2022, segundo dados divulgados pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab). Em relação ao mesmo período de 2021, houve um incremento de 44,8% de casos.

De acordo com os dados mais recentes, são cerca de 50 mil casos registrados das três doenças na Bahia, entre janeiro a setembro deste ano.

Neste ano, de 2 de janeiro a 8 de setembro de 2022, foram notificados 32.821 casos prováveis da doença, com Coeficientes de Incidência (CI) de 221,6 casos para cada 100.000 habitantes. No mesmo período, em 2021, eram notificados 22.665 casos prováveis.

Ainda neste ano, 368 municípios realizaram notificação para a doença, sendo que 169 destes municípios apresentaram incidência maior ou igual a 100 casos para 100.000 habitantes. Oito municípios apresentarão situação epidêmica, analisadas as últimas quatro semanas epidemiológicas (se), com 18 óbitos confirmados.

Os três municípios que apresentaram maior taxa de incidência de dengue foram Floresta Azul (4769,6), Apuarema (4179,3), Santa Cruz da Vitória (4150,0). Em seguida, aparecem Chorrochó (3948,0), Macajuba (3948,0), Urandi (3460,9), Potiraguá (2748,0), Mirangaba (2413,6), Barro Preto (2315,5), Santa Maria da Vitória 2233,9).

Chikungunya

Já para os dados relacionados Chikungunya, analisados no mesmo período, foram notificados 16.953 casos no estado, com coeficientes de incidência (CI) de 114,4 casos por 100.000 habitantes.

Em 2021, eram 13.264 casos prováveis, o que representa de 27,8% no estado. No total, 284 municípios realizaram notificação para esse agravo, sendo que 76 destes municípios apresentaram incidência maior ou igual a 100 casos mil habitantes.

Para Chikungunya, os municípios com maiores incidências foram Macarani (5672,8), Macajuba (3481,2), Maiquinique (3458,3). Em seguida, aparecem Santa Cruz da Vitória (3396,9), Iuiú (3252,4), Macururé (2928,3), Brumado (2804,3), Itambé (1824,3), Itajuípe (1797,2) e Coaraci (1153,3).

Não foram confirmados óbitos para Chikungunya.

Zika

Para Zika, até momento são 1003 casos prováveis, com coeficiente de incidência de 6,8 casos por 100 mil habitantes. Em 2021, foram notificados 887 casos prováveis. No total, houve um incremento de 13,1% para a doença na Bahia.

No total, 156 municípios realizaram notificação para esse agravo, sendo que 7 municípios apresentaram incidência maior ou igual a 100 casos por 100 mil habitantes. Até o momento, não foi confirmado óbito para zika.

Os municípios de Macajuba (1970,3), Itajuípe (152,6) e Itambé (146,8) apresentaram os mais níveis de incidência para a doença. Encruzilhada (125,7), Malhada de Pedras (120,1), Potiraguá (105,7), Itarantim (100,3), Barro Preto (94,1), Seabra (81,1), Piripá (68,3) completam a lista.

Leia mais sobre Bahia em iBahia.com e siga o Portal no Google Notícias.