Patrões de idoso submetido a trabalho análogo à escravidão em mansão na Bahia faltam audiência


Foto: Divulgação/MPT

O casal dono da mansão onde um idoso de 66 anos era mantido em situação análoga à escravidão, que está sendo acionado pelo crime, faltou a audiência do caso nesta quinta-feira (8), em Salvador.

O encontro estava agendado para as 9h, na Superintendência Regional do Ministério Regional do Trabalho. Além dos patrões, o advogado que faz a defesa do casal também não compareceu.

De acordo com a TV Bahia, a ausência do casal vai acarretar em multas. Além disso, os dois terão que arcar com o pagamento de verbas rescisórias ao idoso, que atuava como caseiro.

A vítima foi resgatada na última segunda-feira (5), dentro da propriedade, que fica na orla de Lauro de Freitas, cidade na região metropolitana de Salvador.

Segundo o Ministério Público do Trabalho (MPT), o idoso vivia em situação insalubre, em um pequeno quarto nos fundos da casa. O cômodo não tinha janelas e nem cama. A vítima dormia em duas cadeiras.

Além de não ser pago pelo serviço, o idoso contou também que era xingado e agredido pela dona da casa. Ele chegou a ter Acidente Vascular Cerebral (AVC) por duas vezes, mas, ainda assim, trabalhava normalmente no imóvel.

O MPT aponta que a vítima fazia a limpeza interna e externa da mansão e ainda trabalhava com jardinagem.

Quando foi retirado do imóvel em uma ação que envolveu auditores-fiscais do trabalho e um procurador do MPT, com apoio da Polícia Militar, o idoso precisou de atendimento médico de urgência.

De acordo com o MPT, além de estar com a pressão arterial alta e descontrolada, a vítima foi diagnosticada com infecção urinária e não tinha recebido ainda a vacina contra Covid-19.

Na audiência desta quinta, os procuradores do órgão e os auditores do trabalho iriam propor aos patrões o pagamento das verbas rescisórias e de uma indenização por danos morais para o idoso.

Os dois seriam ouvidos e, ao final, deveria ser proposta a quitação das verbas rescisórias, que serão calculadas a partir dos depoimentos que indicarão o tempo em que a vítima trabalhou para os patrões.

O objetivo, segundo o MPT, é garantir logo o pagamento de valores que possam garantir a sobrevivência do idoso. Enquanto isso, a Coordenação de Combate ao Trabalho Escravo dará assistência à vítima.

De acordo com o MPT, com a formalização do resgate, o idoso já deve receber três parcelas do seguro-desemprego especial para vítimas do trabalho escravo. Um inquérito civil também foi aberto para investigar o caso.

Enquanto isso, a vítima está sendo atendida por assistentes sociais do município e do estado, e foi transferida para um lar de idosos em Salvador.

Balanço resgates

O número de resgates de trabalhadores domésticos cresceu mais de 300% na Bahia nos últimos dois anos.

De 1995 a 2020 apenas duas trabalhadoras haviam sido resgatadas no estado, ambas em cidades do interior. Em 2021 o número subiu e sete pessoas foram resgatadas do trabalho análogo a escravidão.

Já em 2022, apenas até a primeira semana de setembro, 10 trabalhadores domésticos foram resgatados.

Em agosto, seis pessoas foram tiradas dos trabalhos abusivos em uma operação que ocorreu em uma única semana.

Leia mais sobre Bahia no iBahia.com e siga o portal no Google Notícias

Veja também: