Polícia

Prazo para encerrar investigações do ataque ao ônibus Bahia é prorrogado pela 2ª vez

Investigação foi iniciada em fevereiro, logo após o crime, e deveria ter sido concluída incialmente em março. Agora, Polícia Civil tem até maio

Redação iBahia
25/04/2022 às 20h45

3 min de leitura

O prazo para finalização do inquérito que investiga o ataque ao ônibus do Esporte Clube Bahia, que deveria ser finalizado neste mês, foi prorrogado por mais 30 dias. Essa é a segunda vez que a decisão é tomada. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (25) pelo g1.

A investigação foi iniciada no final de fevereiro deste ano, logo após o crime acontecer, e deveria ter sido concluída inicialmente em março. No entanto, a Polícia Civil pediu prorrogação para abril.

Agora, que o prazo foi estendido por mais um mês, a polícia tem até maio para encerrar o caso e encaminhar o inquérito para o Ministério Público da Bahia (MP-BA).

Até então, segundo a polícia, nenhum dos suspeitos foi preso. Os detalhes do procedimento não foram divulgados, para que, segundo a polícia, preservar o andamento das investigações.

Investigação

O ataque ao ônibus aconteceu na noite do dia 24 de fevereiro. A delegação estava a caminho da Arena Fonte Nova, quando o ônibus foi atingido, antes de enfrentar o Sampaio Corrêa, pela Copa do Nordeste. O goleiro Danilo Fernandes e o lateral Matheus Bahia ficaram feridos no ataque.

Câmeras de segurança da região da Avenida Bonocô flagraram o momento do crime. No vídeo, é possível ver dois carros e a ação de sete pessoas, que fogem após atirar os explosivos.

A delegada responsável pelo caso, Francineide Moura, informou que todos os suspeitos do ataque ao ônibus foram identificados. No entanto, apesar da informação sobre identificação, não há detalhes sobre a quantidade de suspeitos envolvidos. Todos são da torcida organizada Bamor.

Segundo a delegada, os suspeitos de participar apresentam a mesma versão: eles alegam que iriam participar de um jogo de futebol e, por isso, estavam no local esperando outros membros da torcida organizada. Quando o ataque aconteceu, eles fugiram.

A versão apresentada é contestada pela delegada. A Polícia Civil já recebeu o laudo da perícia de um dos carros usados no ataque. O resultado foi positivo para a presença de explosivos.

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) acompanha as investigações da Polícia Civil com relação ao ataque para que medidas legais sejam adotadas, com a conclusão do inquérito.

Em abril, cinco suspeitos prestaram novos depoimentos na 6ª Delegacia Territorial, no bairro de Brotas, em Salvador. Quatro deles fizeram uma acareação, para confrontar as versões apresentadas por cada um.

Jogadores feridos

O goleiro Danilo Fernandes foi quem ficou ferido com mais gravidade. Ele foi atingido no rosto com estilhaços de um artefato explosivo e precisou ficar internado no Hospital Jorge Valente, na capital baiana.

Danilo recebeu alta médica dois dias após o ataque. Ele precisou passar por uma cirurgia para retirar estilhaços de vidro do pescoço. O goleiro recebeu 20 pontos entre orelha, rosto e perna por causa dos múltiplos ferimentos.

Matheus Bahia também teve ferimentos, de menor gravidade.

Leia mais sobre Bahia em iBahia.com e siga o Portal no Google Notícias