Saúde

Secretaria de Saúde confirma primeiro caso de varíola dos macacos no interior da Bahia

Anúncio foi realizado pela instituição na tarde desta terça-feira (26). Ao todo, 31 casos seguem em investigação em todo o estado

Redação iBahia
26/07/2022 às 13h10

3 min de leitura
Foto: Dado Ruvic

A Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) anunciou, na tarde desta terça-feira (26), que foi confirmado o primeiro caso de “Monkeypox”, doença conhecida como ‘varíola dos macacos’, no interior da Bahia. No entanto, a informação foi corrigida pela Sesab no final da tarde.

De acordo com a entidade, a notificação aconteceu no município de Ilhéus, sul do estado. O paciente tem histórico de viagem para Europa e com este novo registro, chega a seis o número de casos em todo o território baiana.

Na prática, outros 31 casos suspeitos seguem em investigação. As notificações são dos municípios de Barra (01), Ibicaraí (02), Laje (01), Mutuípe (03), Porto Seguro (01), Salvador (15), Santa Cruz Cabrália (01), Santo Antônio de Jesus (03), São Miguel das Matas (01) e Vitória da Conquista (03).

Em todos os casos, as medidas sanitárias adotadas são de monitoramento dos contactantes próximos e isolamento.

A doença

Monkeypox é uma zoonose viral, do gênero Orthopoxvirus, da família Poxviridae, que se assemelha à varíola humana, erradicada em 1980. Também chamada de ‘varíola dos macaco’, a doença pode ser transmitida pelo contato com fluidos corporais, secreções respiratórias, lesões na pele ou mucosas de pessoas infectadas. Há também o risco de contaminação pela utilização de materiais contaminados, como toalhas, roupas de cama e utensílios domésticos contaminados e/ou contato com animais infectados pelo vírus.

Os principais sintomas observados nos indivíduos infectados são febre, dor de cabeça, dores nas costas ou musculares, inflamações nos nódulos linfáticos, lesões na pele, que começam no rosto e se espalham pelo corpo, atingindo principalmente as mãos e os pés. O vírus tem um período de incubação que pode variar de cinco a 13 dias. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), os sintomas duram de 16 a 21 dias.

Estatísticas e atendimento em Salvador

Dentre os casos suspeitos residentes em Salvador, todos os pacientes são do sexo masculino e mediana de idade de 29 anos. Em relação às manifestações clínicas, todos os casos indicaram febre, adenomegalia e erupções cutâneas. Dos casos confirmados, dois (40%) são residentes do Distrito Sanitário (DS) Barra/Rio Vermelho e três (60%) do DS Cabula/Beiru.

Ao apresentar os sintomas da doença, a orientação da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) é de que o paciente busque uma unidade de urgência e emergência. Atualmente, a rede municipal dispõe de 16 postos de urgência que funcionam ininterruptamente, nos sete dias da semana, inclusive feriados, em regime 24 horas.

Locais de atendimento

  • UPA Santo Antônio (Roma)
  • UPA San Martin
  • UPA Barris
  • UPA Paripe
  • UPA Periperi
  • UPA Valéria
  • UPA Brotas
  • UPA Parque São Cristóvão
  • UPA Pirajá/Santo Inácio
  • UPA Itapuã
  • PA Orlando Imbassahy (Bairro da Paz)
  • PA Alfredo Bureau (Marback)
  • PA Edson Teixeira (Pernambués)
  • PA Rodrigo Argolo (Tancredo Neves)
  • PA São Marcos
  • PA Maria Conceição Imbassahy (Pau Miúdo)

Leia mais sobre Bahia em ibahia.com e siga o Portal no Google Notícias.