Wagner comemora criação de novas federais e diz que Dilma está "fazendo justiça" com a Bahia


O governador Jaques Wagner comemorou o anúncio da criação de duas novas universidades federais e de nove Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (Ifet) na Bahia, em programa da rádio do governo da Bahia que deve ir ao ar nesta terça-feira (16), mesma data em que a presidente Dilma Rousseff assina os acordos que criam as novas instituiçoes.

“A presidenta Dilma está fazendo justiça com a Bahia, que tinha um número de escolas de nível superior, do governo federal, muito aquém do que a nossa população precisa e muito aquém do que a Bahia merece”, disse Wagner.

O governador estará em Brasília nesta terça para o anúncio da expansão da Rede Federal de Educação Superior, Profissional e Tecnológica. “Confesso que é uma festa baiana da educação e quero repetir a minha gratidão à presidenta Dilma Rousseff e ao ministro da Educação, Fernando Hadadd”.

As duas novas universidades serão a do Oeste e a do Sul da Bahia – a primeira cmo sede em Barreiras e campi em Luís Eduardo Magalhães e Bom Jesus da Lapa; a segunda terá sede em Itabuna e campi em Porto Seguro e Teixeira de Freitas. Camaçari e Teixeira de Freitas também receberão extensões das universidades federais – da Bahia e do Recôncavo, respectivamente.

Já os Institutos Federais na Bahia serão instalados nos municípios de Xique-Xique, Serrinha, Alagoinhas, Brumado, Lauro de Freitas, Juazeiro e Euclides da Cunha. Outros dois ficarão nas regiões do Recôncavo e da Chapada Diamantina, mas ainda sem local definido.

Transporte
Wagner também falou sobre a questão da mobilidade urbana e reafirmou que o governo que que a Região Metropolitana de Salvador tenha um modal dos mais eficientes e também financeiramente em conta para a população. Segundo o governador, as discussões sobre qual era o melhor meio de transporte de massa para o trecho Aeroporto X Rótula aconteceram levando em conta qual seria mais rápido e confortável e também viabilizasse a linha do metrô que já está em construção há 12 anos.

Wagner assegurou que a escolha do metrô aconteceu após estudos técnicos que apontam esta forma como a melhor para os problemas de trânsito de Salvador. “O ônibus vai continuar existindo, as empresas de ônibus vão continuar existindo porque o metrô não resolve a vida de todo mundo, porque o metrô circula num determinado trecho, podendo até adotar-se BRT a depender das outras vias que nós temos que compor”, afirmou.