Saiba detalhes

Saiba quais músicas Caetano Veloso toca em live e como celebrará 80 anos: ‘Com filhos e as mães deles’

Cheio de hits, o artista garante que o show não será uma mera sucessão de sucessos

Agência O Globo
03/08/2022 às 17h15

4 min de leitura
Caetano Veloso
Foto: Fernando Young/Divulgação

“O sopro do fole”, “Irene” e “Milagres do povo” são algumas das músicas que Caetano Veloso fez questão de incluir no repertório da live com que celebrará seus 80 anos no domingo (7), na Cidade das Artes, com transmissão simultânea pelo Globoplay, Multishow e um trecho exibido ao vivo pelo “Fantástico” (TV Globo).

A apresentação do compositor, que promete revisitar grandes clássicos, será ao lado dos filhos Moreno, Zeca e Tom, além da irmã Maria Bethânia, que ele chama carinhosamente de “Beta”. Mas o artista garante que o show não será uma mera sucessão de sucessos. Todas as composições que estão sendo escolhidas têm um motivo.

– Tudo tem de ter valor histórico, mas tem também de ser consideravelmente diferente tanto do “Meu Coco” quanto do “Ofertório” ou da live que fiz com meus filhos em 2020. Em conversas com Moreno, Zeca, Tom e Bethânia, já chegamos a um roteiro que se aproxima dessas exigências.

Show íntimo

O músico resume o espírito do especial, comandado pela cantora Iza, como “familiar”.

– Será um show íntimo, mas com público, para ser visto ao vivo por internautas e telespectadores. Estamos ensaiando em casa, mas vamos para um palco grande. Temos e não temos o direito de errar acordes, versos, notas – diz ele, em entrevista dada ao Globoplay, acrescentando que o que público pode esperar é “sinceridade”. – Meus filhos e eu agimos como uma banda modesta, mas com luz própria. E enfrentamos o desafio de acompanhar Bethânia.

A noite, claro, terá sabor especial para o cantor por celebrar ao mesmo “minha vida familiar e minha vida pública”. Após o show, ele quer continuar o espírito de comemoração em família, “com meus filhos, com as mães deles, com tantos dos meus irmãos quantos possam vir, além de Beta”.

Caetano resume sua trajetória de mais de cinco décadas na música brasileira como “coerente e surpreendente”.

– Desde menino eu sabia que ia ser artista.

Perguntado sobre o que ainda gostaria de fazer na vida, ele faz uma reflexão filosófica e completa citando uma canção que compôs:

– A gente está sempre fazendo algo que nunca fez. Mesmo quando repetimos, não é nunca a mesma água do rio. Na letra de “Motriz”, que escrevi pra Bethânia há muitos anos, se encontram os versos “Aquilo que eu não fiz e sempre quis/ É tudo o que eu não sei, mas a voz diz”.

Trajetória de sucesso

Entre os momentos que guarda com carinho especial dentro de sua trajetória, ele destaca cantar com Bethânia, Gilberto Gil, Gal Costa, Tom Zé e Alcivando no Teatro Vila Velha (em Salvador, na década de 1960), assistir à irmã no Teatro Opinião (também nos anos 1960), fazer o show “Circuladô” ao ar livre em Realengo (1993)…

– Momentos importante também foram revelar ao Brasil o trio elétrico, invenção do carnaval baiano (em 1969, Caetano fez o Brasil conhecer o trio elétrico, até então restrito à Bahia, com a gravação de “Atrás do trio elétrico”), trabalhar com Perinho Albuquerque (em 1964, quando o violonista participou dos shows “Mora na filosofia”, de Maria Bethânia, que Caetano dirigiu).

– Juntar A Outra Banda da Terra (em 1977) e Banda Nova (1984), cantar o “Pulsar” de Augusto de Campos (2014), gravar “Estrangeiro” com Arto Lindsay e Peter Scherer (no álbum homônimo de 1980) cantar com David Byrne no Carnegie Hall (2012), cantar “Cucurrucucú Paloma” no filme de Almodóvar (“Fale com ela”, de 2002), compor e produzir o álbum “Recanto” (2011), de Gal (Costa) e trazer Elza Soares de volta às ribaltas (no documentário “Elza Soares – O Gingado da Nega”, a cantora contou que Caetano a convenceu a voltar a cantar).

Leia mais sobre Caetano 80 anos no iBahia.com e siga o portal no Google Notícias