O que eu e o Silvester Stallone temos em comum?


Você já ouviu falar sobre a história do ator norte-americano Sylvester Stallone? Sua mãe teve complicações no parto e, numa tentativa de salvá-lo, os obstetras tiveram de usar fórceps – instrumento cirúrgico semelhante a uma colher que pode ser usado para facilitar a saída do bebê – para ele nascer.

Só que o médico exagerou um pouco na força do equipamento e acabou afetando alguns nervos que controlam as pálpebras e os lábios do ator. Conforme foi crescendo, ele descobriu que queria ser ator, mas recebeu várias negativas de estúdios e agências por causa do problema.

O que eu e Stallone temos em comum?

Esse aparente fracasso levou Stallone a escrever seus próprios roteiros e isso se tornou o seu diferencial. Fazendo uma analogia com a minha história, foi justamente o que fiz no Rio de Janeiro.

Enquanto a maioria dos atores estudava para atuar, comecei a escrever roteiros de programas de TV. Foi esse diferencial que me abriu as portas para trabalhar no Multishow, assim como Sylvester Stallone fez em Hollywood.

Estudando diversas histórias de sucesso, me vejo em tudo o que essas pessoas passaram. É interessante observar como são histórias de pessoas comuns, mas que tiveram atitudes, muitas vezes tomadas intuitivamente que mudaram suas vidas.

A fama e a busca por um sonho

Quando estava no Rio de Janeiro, apresentei o roteiro de um programa e acabei recebendo um convite para fazer um teste para apresentar outra atração

Em Nova York, quando Stallone fez teste para um filme, comentou com o produtor sobre o roteiro de Rocky Balboa. Ele viu, gostou, levou para o diretor, que fez uma oferta para comprar os direitos do roteiro. Depois de muita negociação, aceitaram a exigência de o ator ser o protagonista.

O filme foi rodado em 28 dias, com o orçamento de US$ 1 milhão, muito abaixo dos valores de Hollywood. E o resultado? A película faturou US$ 225 milhões e ganhou três Oscar: melhor filme, edição e direção.

Foco no propósito, não no dinheiro

A fama é consequência da busca pela realização de um propósito. O dinheiro e o sucesso são consequências.

Aquele que busca somente fama, dinheiro e sucesso nunca conquistará porque é um propósito vazio. Não traz a força capaz para suportar as dores que surgem no caminho.

Se o propósito de Sylvester Stallone de ser ator não fosse forte, ele teria aceitado a primeira oferta de dinheiro pelo seu roteiro.

O foco dele não estava no dinheiro, mas no propósito. E é por isso que hoje ele é um astro consagrado e detentor de uma fortuna financeira.

E você, já descobriu qual é o seu diferencial?

Leia mais sobre Empreenda com Fritz Paixão no iBahia.com e siga o portal no Google Notícias.