Conexões e Negócios

7 dicas para quem deseja viver novas experiências profissionais

Fato é que as pessoas estão em busca de algo que faça sentido profissional, assegurando o máximo de equilíbrio e harmonia à vida pessoal

Rodrigo Almeida*
- Atualizada em

Antes de começarmos essa discussão, quero contar a minha história.

Com 17 anos, entrei no curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Católica do Salvador; aos 19, migrei para Licenciatura em História na Faculdade de Tecnologia e Ciências da Bahia; após um semestre de desafios e descobertas, consegui uma bolsa integral – via Prouni, para cursar Relações Públicas na Universidade Salvador.

Como vocês podem ver, mudar de ideia nunca me assustou.

Ainda em nível acadêmico, após a graduação, ingressei numa Especialização em Relações Públicas seguido por uma Graduação em Letras, Mestrado em Gestão e Tecnologia Industrial, Especialização em Filosofia, e por fim, MBA em Tendências de Mercado.

Calma! Nem tudo foi concluído, mas certamente cada uma das experiências me auxiliou a ser quem estou hoje.

Ao longo da minha trajetória profissional - essa com mais de 10 anos de experiências –, vivi a realidade laboral de pequenas empresas privadas e multinacionais em expansão, me permitindo experimentar o aprendizado em corporações mais tradicionais, agências descoladas, veículos de comunicação, órgãos públicos, produções de eventos, instituições de ensino, salas de aula, ONGs, comércio, etc. São muitas as vivências antes de abrir a minha agência e enfim, poder dizer: é aqui onde quero estar.

Uma pesquisa realizada pelo portal Love Mondays, com pouco mais de 4 mil profissionais, revelou que 70% dos trabalhadores ouvidos desejam mudar de emprego. Ainda segundo o relatório, 29,6% desse público deseja uma ocupação que tenha maior afinidade com o seu propósito de vida, ou seja, que possua conexões com os seus valores individuais.

O fato é que cada vez mais pessoas estão em busca de algo que faça sentido profissional, assegurando o máximo de equilíbrio e harmonia à vida pessoal. Enquanto nas décadas finais do século XX, a expectativa de construir carreira em uma única empresa representava sucesso ocupacional, o século XXI revelou uma geração que busca experiências, bem-estar, aprendizados e conexões.

Diante das mudanças comportamentais cada vez mais transitórias, nos vemos impulsionados a refletirmos sobre ‘qual tipo de profissional queremos ser na contemporaneidade’, e ‘como a empresa e suas lideranças devem se comportar em meio a este cenário’.

Essas respostas não são simples, principalmente por serem vivas, transitórias e representantes de aspectos socioculturais, econômicos e políticos.

Ter coragem para ousar em experiências e vivências, não deve – e nem pode – ser encarado com um totalitarismo geracional, como se fosse uma possibilidade e atributo de todos, sem refletir os grupos e os indivíduos que os compõem. Ousar mudanças e experiências é algo que eu amo ter vivido e entendo alguns privilégios que me permitiram a esse aprendizado (e esse privilégio não foi econômico, pois isso é o que eu menos tinha).

Criar oportunidades, planejar mudanças, estruturar etapas, reconhecer o tempo necessário e jamais desistir de alcançar o que te faz bem, esses sim devem estar no foco e no compromisso de cada indivíduo.

A fim de auxiliar em uma trajetória de experiências profissionais mais próspera, listei abaixo algumas dicas que podem te ajudar no processo planejado de passagem.

  1. Invista em capacitação. Um bom currículo, referências e experiências despertam a atenção e promovem destaque no mercado de trabalho;
  2. Mude de empresa, mas “deixe a porta aberta”. As boas relações que você constrói na organização te acompanham para onde quer que vá;
  3. Evite impulsos de mudança. Uma transição bem planejada será mais estável para você e mais bem-vista pela empresa que está te perdendo;
  4. Conheça o mercado e seja assertivo(a). Você pode se decepcionar, mas buscar informações antecipadas te protege de algumas ciladas perigosas;
  5. Articule boas redes de contato e conexões. Conheça pessoas diversas e compartilhe vivências com elas;
  6. Faça o melhor que puder, esteja onde estiver. A sua marca profissional será a qualidade que entrega em todos os trabalhos realizados;
  7. Seja flexível. Você não teve coragem de mudar? Então se permita mudar de ideia quantas vezes forem necessárias.

Não existe uma linha linear para a satisfação pessoal ou sucesso profissional, o caminho é imprevisível. Por isso aposte no que acredita e não desista até alcançar.

Quer mudar? Muda bobo(a), mas faça de forma pensada!


Rodrigo Almeida* - @rodrigoalmeidarp
Relações Públicas, Mestre em Gestão e Tecnologia Industrial (SENAI - Cimatec), pós-graduando no programa de MBA em Tendências e Inovações, Palestrante, Professor Universitário de pós-graduação, Consultor e Diretor da agência CRIATIVOS.