Educação

Governo corta novas bolsas do Ciência sem Fronteiras para 2016

Programa sofreu impacto da alta do dólar, que subiu de R$ 1,55, em 2011, para R$ 3,70 em 2015

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em
O programa Ciência sem Fronteiras, do governo federal, não terá novas bolsas no ano de 2016. Segundo apuração do jornal Folha de S. Paulo, o governo enviou ao Congresso um Orçamento com deficit para o ano de 2016. Por conta da falta de recursos, o orçamento definido pela equipe econômica para o programa no próximo ano ficou de R$ 2,1 bilhões, que é o suficiente apenas para a manutenção das bolsas de estudantes que já estão no exterior.
O recurso deve ser usado para custear 13.330 bolsistas de graduação e pós-graduação do Ciência sem Fronteira. De acordo com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), neste ano de 2015 o governo liberou o orçamento de R$ 3,5 bilhões, mas os recursos do programa em 2016 terão corte de 40,3%.

Os custos do Ciência sem Fronteiras incluem não só o pagamento de benefícios para os alunos, como para as instituições de ensino superior que acolhem os estudantes do programa. O preço do dólar elevou o custo do programa. Se em 2011, quando foi lançado o Ciência sem Fronteira, o dólar era cotado a R$ 1,55, neste mês o câmbio está próximo de R$ 3,70. Com a alta o governo não tem previsão de lançamento de novos editais de seleção para este ano.