Mundo

Morre jovem com câncer que planejou seu suícidio assistido

Na quinta-feira (30), Brittany havia anunciado a decisão de mudar a data da realização da eutanásia

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

 Brittany Maynard, a jovem de 29 anos que sofria de um agressivo tipo de câncer no cérebro, e que havia marcado seu suicídio assistido para 1º de novembro, morreu neste domingo (2).   "Com tristeza anunciamos a morte de uma mulher querida e maravilhosa, Brittany Maynard. Ela morreu em paz, em sua cama, rodeada por sua família e entes queridos", disse  a ONG "Compassion & Choices , que se dedica a assessorar doentes terminais que desejam uma morte digna.

Jovem havia postado seu último desejo em blog

A organização não deu detalhes a respeito da morte de Brittany, que tinha marcado seu suicídio assistido para 1º de novembro, apesar de ter adiado na quinta-feira (30) sua decisão para poder passar mais tempo com os seus familiares."Adeus a todos os meus queridos amigos e família que eu amo", escreveu ela em sua conta no Facebook. "Hoje é o dia que eu escolhi para morrer com dignidade por causa da minha doença terminal, esse terrível câncer no cérebro que tomou tanto de mim... Mas que poderia ter tomado muito mais", escreveu, segundo a revista Time. "O mundo é um lugar bonito, viajar tem sido a minha forma de aprendizado... Agora, enquanto escrevo, tenho uma corrente de apoio em volta da minha cama... Adeus, mundo. Espalhem boas energias. Retribuam!".Ainda na última quinta-feira (30) , Brittany divulgou em seu blog que havia concluído o último item de uma lista de desejos que montou quando decidiu a data de sua morte. Acompanhada de seus pais e seu marido, Brittany visitou o Grand Cânion. MudançaPara poder seguir com a decisão da eutanásia, Brittany e seu marido se mudaram para Oregon, um dos cinco estados americanos onde a o procedimento é autorizado. Após se estabelecer como residente no local, ela teve de provar que tem menos de seis meses de vida. Agora, a paciente possui uma receita médica para as drogas que usará para morrer.


Arthur Caplan, especialista em bioética, disse que a história de Brittany vai mudar a maneira como muitas pessoas, principalmente, os jovens enxergam a eutanásia, além de gerar impacto sobre  medidas de saúde  que são adotadas por eleitores e legisladores.