Mundo

Mulher é presa por vender filho para pedófilos na internet

Vítima, que tem hoje dez anos, vive com uma família adotiva e, de acordo com o seu advogado, "está bem apesar das circunstâncias"

Redação iBahia (redacao@portalibhaia.com.br)

Uma mulher alemã foi condenada por 12 anos de prisão nesta terça-feira (07) por violentar e vender seu filho a pedófilos na sua internet. Durante mais de dois anos, entre maio de 2015 e agosto 2017, Berrin Taha, 48 anos, e seu marido Christian Lais, 39 anos, ofereciam a criança na 'deep web'  para ser abusada sexualmente mediante pagamento.

O tribunal de justiça de Freiburg, cidade onde ocorreu o crime, condenou a mãe e o padrasto. Em nenhum momento, ela explicou o motivo do abuso sexual.

O espanhol, Javier González Díaz, de 33 anos, também foi condenado a 10 anos de prisão por ter pagado para violentar sexualmente o menino. O crime ocorreu diversas vezes e foi filmado pelo em homem. Pelo 'serviço', o casal cobrava o valor de 10 mil euros. Durante o abuso, a criança era "humilhada, insultada, amarrada, encapuzada e maltratada", relatou o tribunal.

No momento, o menino, que tem hoje dez anos, vive com uma família adotiva e, de acordo com o seu advogado, "está bem apesar das circunstâncias".