Maternidade Geek: relação com universo nerd aproxima mães e filhos


Foto: Larissa Barcelar

Fãs de tecnologia, eletrônicos, jogos, HQs, mangás, animes e muito mais se reúnem em um só universo: o Geek. E, por mais que a palavra – que é de origem inglesa – gere dúvidas, ela nada mais é do que alguém que é um entusiasta em um assunto ou atividades específicas.

Dentre os gostos que adquirimos ao longo da vida, é muito comum que alguns deles venham de mães, pais ou de pessoas que acompanham o nosso crescimento. Este é o caso da designer Larissa Barcelar, mãe geek, que contou ao iBahia sobre o universo nerd e como ele a aproximou de seus pais – que também são geeks – e de seus filhos. Confira:

  • Antes de tudo, o que é ser geek?

“Eu tenho que ser geek é você gostar muito de alguma coisa. E, especificamente, pela época que eu venho [1987], eu atrelo a todo esse universo de super heróis, mangás e tecnologia. Quando olho a minha vida e avalio, a minha vida é geek: estou sempre olhando a tecnologia da TV que vou comprar, novos modelos de celular, qual é o anime da temporada, quando vai ter evento, a roupa da personagem que quero fazer cosplay, como fazer uma cauda de dragão para os meninos”, afirmou Larissa.

  • Interesses em comum x aproximação entre mães e filhos

A designer revelou que a sua paixão pelo universo geek começou ainda durante à infância, graças a seus pais, que foram os responsáveis por apresentar tecnologias para ela e seu irmão. Para além de introduzir esse mundo, Larissa contou que ver este meio tão presente em seus pais a trouxe muita referência.

“Eles me deram muita referência, inclusive, meu gosto por estudar é por conta dos livros infantis. Vejo que o que eles trouxeram ajudaram no nosso vínculo hoje”, disse.

Já sendo mãe de três crianças, Larissa acredita que um ponto positivo de partilhar interesses com seus pequenos é poder trazer lições a partir disso. “Tudo que eu posso usar do geek para passar uma mensagem para eles, eu uso. Mas também não tento pra empurrar nada, eu não empurro a minha realidade para eles, tento da forma mais orgânica possível”, contou Larissa.

  • Diferença entre ter sido filha geek e ser mãe geek

“Acredito que a principal diferença é que eu entendo eles. Eu não consigo ser aquela pessoa que cresceu e não consegue ser jovem”, começou. A designer também contou que vê, em meio a esse universo, várias oportunidades para se apresentar como um exemplo para seus filhos, como foi o caso da sua participação na Campus Party.

Na ocasião, Larissa falou no palco do festival de tecnologia, empreendedorismo e ciência sobre Jornada nas Estrelas. De acordo com ela, apesar do nervosismo, pensar em ser um modelo para seus pequenos a motivou a superar o receio.

“Se fosse eu, antes de ser mãe, eu talvez tivesse cancelado, porque sei que ficaria com muita vergonha. Mas, desistir de uma coisa que você tá super empolgado para fazer por vergonha? Minha mente funciona o tempo todo assim, fico pensando no que eu tô fazendo, em exemplos, nessas coisas”, contou.

Leia mais sobre Dia das Mães no iBahia.com e siga o portal no Google Notícias

Veja também: