Economia

Entenda a diferença entre finanças pessoais X finanças profissionais

Saber lidar com o dinheiro é uma das formas mais eficientes para conter gastos e evitar dores de cabeça

Geisa Lima - Algo Mais Consultoria e Assessoria
31/05/2022 às 8h00

5 min de leitura

Você sabe a diferença entre finanças pessoais e finanças profissionais? De acordo com o dicionário Aurélio, finança é a “ciência e a profissão do manejo do dinheiro”. Assim, podemos dizer que finança é um processo de gestão de gastos, seja na sua vida pessoal – com o uso do dinheiro no dia a dia – ou no âmbito profissional do seu investimento.

Seja de que tipo for, pessoal ou empresarial, é preciso ter consciência de gastos e não misturar despesas e lucros profissionais com os pessoais. A primeira ação é separar as finanças, identificar quais são as contas pessoais e quais fazem parte do negócio ou investimento, para dividir e colocar cada uma em seu lugar de forma organizada.  

Foto: Divulgação

“Cuidar bem das finanças é realizar sonhos com maior facilidade e estar sempre preparado para imprevistos financeiros. Saber mais sobre o assunto é a melhor alternativa para que você tenha uma vida financeira mais tranquila — agora e no futuro”, explica Idenilson Vieira, gerente de Desenvolvimento de Negócios da Sicredi Expansão. 

Segundo Vieira, é preciso controlar o orçamento, poupar dinheiro, usar o crédito com sabedoria, investir e criar outras ações necessárias para ter uma vida financeira equilibrada.

Tanto a pessoa física quanto a pessoa jurídica devem definir metas e formar uma reserva financeira para imprevistos. Para o empresário, principalmente o MEI, é muito importante separá-las, pois, quanto mais misturadas forem as finanças pessoais com as da empresa, mais difícil será saber se seu negócio realmente dá resultado ou não, bem como quais os gargalos financeiros precisam ser corrigidos”, ressalta.

Outra maneira de manter o controle dos gastos é criar planilhas que organizem todo o dinheiro que entra e sai, para equilibrar as finanças. Por exemplo, pode-se criar planilha de gastos mensais, onde você registra essa entrada e saída, e também ficar atento ao valor gasto, que deve ser sempre menor do que o valor que entra, por isso, vale seguir a dica de colocar no papel ou em planilhas de computador esses números e saber o que pode ser cortado e o que é prioridade na rotina.

Na hora de comprar, é importante ficar atento à necessidade real daquele bem ou serviço, se a compra está sendo realizada de forma consciente e não por impulso. Em compras online, por exemplo, algumas facilidades podem levar à compra impulsiva e, por vezes, de forma insegura.

Educação financeira na Sicredi

Na Sicredi Expansão, o associado conta com um gerenciador de investimentos pelo Internet Banking e App, para facilitar a tarefa de administrar as finanças.

“Assumimos o compromisso de ser um agente transformador e protagonista, por meio do nosso ‘Programa Cooperação na Ponta do Lápis’, uma ação nacional de Educação Financeira, desenvolvida para atender às necessidades de diversos públicos. Acreditamos que, com a força do Sicredi, podemos levar educação financeira para todas as nossas localidades, apoiando diretamente associados e comunidades locais”, informa o gerente de Desenvolvimento de Negócios Idenilson Vieira.

O programa é para todos e tem o intuito de ajudar e transformar a vida financeira das pessoas nas comunidades em que o Sicredi atua, levando mais informação, conhecimento e boas práticas para melhorar a relação com o dinheiro. Por isso, existem ações voltadas a pessoas físicas, microempreendedores, adolescentes e crianças para que, no futuro, possam fazer ainda mais, sempre tendo como base a economia comportamental.

Outras dicas importantes para o seu planejamento financeiro pessoal e profissional:

  • Monte um planejamento financeiro – defina uma meta e o prazo para ela acontecer. Se necessário, vá ajustando ao longo do processo, mas sem desistir.
  • Crie o hábito de poupar – para organizar suas finanças, antes de tudo, é preciso criar o hábito de guardar dinheiro. Você pode chamar esse costume de economizar ou investir, mas o seu foco deve estar sempre na quantia que precisa ser reservada para essa finalidade logo quando o seu dinheiro entrar na conta corrente. Tenha em mente que um orçamento adequado à sua realidade lhe permite maior liberdade para montar as reservas que precisa para o futuro.
  • Tenha uma reserva de emergência – uma das primeiras reservas que você deve montar quando procura por mais organização financeira é a de emergência. Ela representa um dinheiro com o qual é possível contar em períodos de dificuldades ou imprevistos. Caso algo inesperado aconteça e impacte as suas finanças, será difícil contornar o problema sem solicitar crédito ou precisar pagar juros.
  • Invista seu dinheiro – ao investir seu dinheiro, é viável fazer, basicamente, com que ele trabalhe por você. Ou seja, sua renda não virá apenas do seu trabalho direto. Também existirá uma renda passiva — resultado dos juros aplicados aos seus investimentos. Investir no Sicredi é ainda uma maneira de cooperar com o desenvolvimento da sua região e do país. Aplicando na Poupança do Sicredi, os recursos investidos ficam na região e, se você for associado, pode ter rendimento extra com a distribuição de resultados da sua cooperativa.

Leia mais sobre Dinheiro e Você no ibahia.com e siga o portal no Google Notícias.