Levantamento

Em alta: Produção Mineral Baiana Comercializada tem rendimento de R$ 1,6 bilhão em maio de 2022

Alta foi de 68% em relação ao mesmo mês no ano de 2021

Redação iBahia
27/06/2022 às 23h00

2 min de leitura
Foto: Divulgação

A Produção Mineral Baiana Comercializada (PMBC) registrou um aumento de 68,59% em maio de 2022 em comparação ao mesmo mês em 2021. A alta fez com que o rendimento saísse de de R$ 949 milhões para R$ 1,6 bilhão. De acordo com o Sumário Mineral divulgado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), o cobre foi o bem mineral com maior participação na produção do estado, com 38,42%.

“O setor mineral da Bahia é muito extenso e possui grande potencial. O segmento gera empregos, investimentos e atrai indústrias. Os municípios ganham com a arrecadação de tributos e todo o desenvolvimento socioeconômico que a mineração traz”, destaca o secretário de Desenvolvimento Econômico, José Nunes.

Ainda de acordo com o levantamento, o município baiano que obteve o maior destaque de participação, com 21,94%, foi Jaguari, seguido por Itagibá (18,44%) e Juazeiro (14,65%). Neste mesmo mês, os três principais bens minerais exportados foram níquel, ouro e vanádio.

Em maio de 202, a arrecadação da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (CFEM) baiana foi de R$ 19,49 milhões. O Estado ficou com a fatia de R$ 2,9 milhões e os municípios com cerca de R$ 11,7 milhões, sendo Jaguari, a cidade que mais arrecadou ficando com R$ 2,7 milhões.

De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), atualmente a Bahia tem em estoque 14,2 mil empregos formais na extração de minerais metálicos, não metálicos e atividades de apoio.

Leia mais sobre Economia em iBahia.com e siga o Portal no Google Notícias.