Bruno Senna admite que Barrichello é rival na disputa de vaga em 2012


Bruno ainda falou da disputa de vaga com Grosjean

Nem a notícia de que Robert Kubica está fora do início da temporada 2012 tirou os pés de Bruno Senna do chão. Em entrevista coletiva nesta quarta-feira, em São Paulo, o piloto afirmou que, mesmo sem a concorrência do polonês, outros nomes do circuito estão de olho em seu lugar na Renault-Lotus. Inclusive um outro brasileiro.

“Todo mundo que está no mercado é meu adversário. Se o Rubinho está, vai ser meu adversário, assim como os outros. O Rubinho, claro, tem muito peso nas equipes. Temos que ver qual vai ser a escolha, pelo potencial ou pela experiência. São variáveis, mas temos que tentar trazer as vantagens para o nosso lado”, disse o piloto.

O brasileiro afirma, no entanto, que seu maior rival é outro. Para Bruno, o francês Romain Grosjean, atual terceiro piloto da equipe, conta com o apoio de boa parte da escuderia. “Grosjean é o terceiro piloto hoje. Tem o suporte da parte francesa da equipe, e é natural que haja esse empurrãozinho. Outros pilotos também têm se aproximado da equipe, viram que ela tem potencial de ir além. Somos os pilotos mais perto de uma vaga no ano que vem. Mas é uma disputa acirrada”.

Bruno Senna acredita que, na briga por um lugar na equipe, é importante contar com o suporte financeiro de outras empresas. “Para mim, não muda nada. Estou usando esse ano para convencer as equipes de que posso estar na F-1 no ano que vem. Mas a competição é sempre grande pelo assento. Todo mundo quer a chance de estar em uma equipe que já foi vencedora e que pode voltar a ser. Não vai ser fácil manter o assento, outros pilotos estão no páreo. Estou batalhando bastante. É importante fazer as parcerias certas também”.

O piloto brasileiro acredita, porém, que tem feito um bom trabalho desde que assumiu o segundo carro da Renault-Lotus, no GP da Bélgica.

“O pessoal da equipe está satisfeito com o que tenho feito. Claro, sempre querem que eu tenha mais consistência, ande na frente e melhor. Mas muita gente veio me fazer elogios, disseram que é difícil chegar a uma equipe no meio da temporada. O resultado das sete corridas ate agora foi muito positivo. Tive altos e baixos. Não estou satisfeito. Mas a experiência vem com quilometragem. Tenho certeza que o nível de competitividade vai ser muito maior no ano que vem”.