Caio quer ajustar equipe para evitar status ‘time de um tempo só’


Correr certo é ganhar espaço dentro de campo e se sobressair diante do adversário. É exatamente este amadurecimento tático que Caio Júnior busca para o Vitória, já que o time atuou só dez vezes com ele em três meses de trabalho. O treinador quebra a cabeça para resolver a queda de rendimento do time no segundo tempo das duas primeiras rodadas do estadual. Contra o 0Botafogo, um passeio antes do intervalo e vantagem por 3×0.

Na virada do tempo, time relaxado, sem capacidade de criação e velocidade. Para sacramentar a queda, levou um gol nos 45 minutos finais. Já domingo, no triunfo por 1×0 sobre o Juazeiro, o rubro-negro conseguiu driblar o calor de 40 graus e o campo ‘sem condições’ do Adauto Moraes na primeira etapa, quando Nicácio fez o gol salvador. Na volta do vestiário, pressão do adversário com direito a duas bolas na trave e nada do Leão incomodar.

O suficiente para Caio reconhecer: “Nos dois jogos, nós tivemos problemas no segundo tempo. Contra o Botafogo e agora (domingo). Já tem uma formação, uma repetição de equipe e se puder repetir vou repetir. É um time equilibrado, que consegue fazer um bom primeiro tempo e cai no segundo. É em cima disso que
temos que trabalhar”.

Declaração que causou uma reunião entre a comissão técnica ontem à tarde na Toca. “Conversei com ele hoje (ontem). Na verdade, quando ele coloca a queda de produção, é do que rendemos de futebol comparado ao primeiro tempo. Não tá falando que tá caindo de produção fisicamente. O fator físico é o único que não temos preocupação. Estamos satisfeitos”, garante o preparador físico da equipe, Solivan Dalla Valle.

Com o ponto de comparação física, Solivan cita a Copa do Nordeste, quando o time em quatro dos oitos jogos marcou gol no segundo tempo: “Há um mês atrás, na Copa do Nordeste, tinha jogos que saímos atrás e fazíamos gol depois. Será que um mês depois disso o nível físico está pior? É impossível isso. Várias variantes interferem no rendimento: a questão técnica, tática, o amadurecimento da equipe, o clima, o campo, sair vencendo ou não”, pondera.

Planejamento – Na busca para readquirir ritmo de jogo devido à eliminação precoce no Nordestão, quando a equipe ficou um mês sem jogar, o volante Luís Alberto defende a conquista dos resultados.  “O planejamento é de ter um ano de sucesso e não só dois jogos. Um dos fatores importantes é que estamos vencendo. Não adianta nada você jogar bem os 90minutos e perder. Lógico que você tem que conciliar o resultado comum a partida equilibrada. É isso que estamos buscando encontrar: o ponto de equilíbrio entre o resultado e o desempenho”, define, com clareza. O próximo teste é domingo, contra o Feirense, no Barradão.