As aventuras de uma princesa negra é tema do contação de histórias


Sheron Menezes é a ‘verdadeira’ princesa Violeta

No próximo dia 27 de novembro, a partir das 15h, a Biblioteca Infantil Monteiro Lobato, em Nazaré, oferecerá ao seu público um conto de fadas diferente. A escritora gaúcha Veralinda Menezes traz a Salvador o espetáculo ‘Contando e Cantando Princesa Violeta’, uma contação dramatizada e cantada sobre uma princesa negra.

Com música e performance lúdica, o projeto visa apresentar ao público infantil o livro inspirado na atriz Sheron Menezes, filha da escritora. Quando criança, a atriz, que atualmente vive a Sarita na telenovela Aquele Beijo (Rede Globo) pedia para a mãe contar uma história com uma princesa que se parecesse com ela e sua irmã, a também atriz Sol Menezes. As irmãs ganharam da mãe, então, duas personagens negras A Princesa Violeta e Lilinda.

O livro conta a história de uma princesa negra que adora se divertir com os amigos, passear com seus pais e brincar com os animais do seu reino. Violeta vive alegre e feliz, até o dia em que descobre o segredo de seu pai: ele queria muito ter um filho homem. A partir daí muitas aventuras farão a princesa mostrar o valor das mulheres ao seu pai.

Princesa Violeta é o primeiro livro da atriz, escritora e contadora de histórias Veralinda Menezes. Ela também lançou Lilinda, em Minha Amiga Rosinha, uma menina que vive divertidas aventuras e conta com a ajuda de um anjo negro para viver as aventuras. Veralinda Menezes inova na literatura infantil e brasileira, com o protagonismo dos personagens negros e quebrando paradigmas, como uma princesa negra e um anjo negro.

A iniciativa integra as ações do Instituto Cultural Educacional Príncipes Negros. O livro será vendido por R$20 (vinte reais), mas haverá sorteio com distribuição gratuita de alguns volumes para as crianças presentes.

Já na segunda-feira, 28/11, a partir das 17h, a escritora bate um papo com o público da Biblioteca Pública do Estado (Barris), no Projeto Terreiro das Letras, que marcará o encerramento do Novembro Negro da Fundação Pedro Calmon/SecultBA.