Menu Lateral Buscar no iBahia Menu Lateral
iBahia > notícias > educação
Whatsapp Whatsapp
Investigação

MP recomenda a Uneb que apure fraude em sistema de cotas de medicina

Promotora pediu que instituição avalia a declração de sete candidatos

Redação iBahia • 21/02/2024 às 20:24 • Atualizada em 21/02/2024 às 20:49 - há XX semanas

Google News siga o iBahia no Google News!

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) recomendou que a Universidade do Estado da Bahia (Uneb), apure a veracidade da autodeclaração racial de sete candidatos cotistas, que foram aprovados e matriculados no curso de Medicina.


				
					MP recomenda a Uneb que apure fraude em sistema de cotas de medicina
MP recomenda a Uneb que apure fraude em sistema de cotas de medicina. Foto: Divulgação

De acordo com a promotora de Justiça Lívia Sant'Anna Vaz, a representação enviada ao MP noticiou a falsidade das autodeclarações, “fato que ainda não foi devidamente apurado pela universidade, apesar das disposições legais e editalícias pertinentes”.

Leia mais:

Ainda segundo a promotora, a Justiça recomendou que seja instituída Comissão Especial de Vrificação da Autodeclaração Racial, composta por pessoas com o necessário conhecimento o (relações étnico-raciais) para decidir, de maneira motivada e conforme as características fenotípicas dos estudantes, sobre a falsidade/veracidade de suas autodeclarações.

Além disso, que as decisões finais dos procedimentos administrativos – que deverão ser instaurados e concluídos com a máxima brevidade possível – sejam imediatamente remetidas ao Ministério Público para adoção das medidas judiciais e extrajudiciais porventura cabíveis.

No documento, Lívia Vaz destacou também que a autodeclaração não é critério absoluto de definição da pertença étnico-racial de um indivíduo, devendo, notadamente no caso da política de cotas, ser complementado por mecanismos heterônomos de verificação da veracidade das informações declaradas.

Fiscalização

O Supremo Tribunal Federal declarou a integral constitucionalidade da Lei nº 12.990/2014 e fixou a tese de que “é constitucional a reserva de 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos no âmbito da administração pública direta e indireta. É legítima a utilização, além da autodeclaração, de critérios subsidiários de heteroidentificação, desde que respeitada a dignidade da pessoa humana e garantidos o contraditório e a ampla defesa”.

Dessa forma, a promotora Líva Vaz assinalou que a Administração Pública tem o dever/poder de fiscalização do sistema de cotas nos seus concursos públicos, devendo estabelecer nos editais critérios objetivos para verificação da pertença étnico-racial declarada pelos candidatos cotistas.

Também na recomendação, a promotora de Justiça lembrou que, desde o início da política de cotas, têm sido noticiadas situações em que candidatos não negros prestaram falsa declaração no sentido de serem beneficiados, burlando, assim, o verdadeiro propósito das políticas públicas de promoção da igualdade racial.

Venha para a comunidade IBahia
Venha para a comunidade IBahia

TAGS:

RELACIONADAS:

MAIS EM EDUCAÇÃO :

Ver mais em Educação