Salvador

Alunos e funcionários terão acompanhamento após assassinato

Sandra Denise foi assassinada pelo próprio marido em escola de Castelo Branco

Redação iBahia
17/05/2016 às 7h28

5 min de leitura
A volta às aulas na Escola Municipal Esperança de Viver, no bairro de Castelo Branco, não será como qualquer retorno de feriado ou recesso. Os alunos, professores e funcionários da escola infantil, palco do assassinato da professora Sandra Denise Costa Alfonso, 40 anos, na  sexta-feira, terão acompanhamento de psicólogos, assistentes sociais e pedagogos, que ficarão na escola por um período ainda a ser determinado e trabalharão temas como luto, perda e violência de gênero.“Não é um assassinato qualquer. É a morte de uma mulher, da forma que aconteceu, com crianças dentro da escola, que ouviram os estampidos, saíram assustadas”, diz a coordenadora pedagógica do Município, Joelice Braga, sobre o assassinato cometido pelo major do Corpo de Bombeiros Valdiógenes Almeida Junior, preso no Batalhão de Choque da PM, em Lauro de Freitas. Ele se entregou no dia do crime e chorou durante depoimento à polícia.

Segundo Joelice, a primeira tarefa é fazer um diagnóstico do trauma causado na comunidade escolar. O tempo de permanência na unidade e as ações específicas que serão desenvolvidas ainda serão determinados em reuniões com a diretora da escola, Valdiceia Oliveira. É ela quem vai determinar a data do retorno às aulas. “Ela está muito abalada. A gente acredita que esta semana ainda possa ter aula, mas quem tem que nos dizer qual é o dia é a direção”, comentou.Casos
Segundo a coordenadora, não é a primeira vez que a Secretaria da Educação (Smed) faz uma intervenção do tipo. Já houve conversas com psicólogos em casos de morte de estudantes e de funcionários. Mas em nenhuma das situações  a morte havia sido dentro da unidade.Coordenadora do Grupo de Atuação Especial em Defesa da Mulher (Gedem), do Ministério Público (MP-BA), a promotora Márcia Teixeira elogiou a iniciativa. Ela está acompanhando o caso e já foi procurada pela família da professora, que mora no Pará, para colher depoimentos sobre a relação do casal. “Essa iniciativa é a prova de que o nosso enfrentamento, nossa dedicação a esse tema é muito importante, pois tira ele da invisibilidade”, disse. Para ela, é importante agora o acolhimento às pessoas próximas da professora. “Essas crianças com necessidades especiais que a vítima cuidava foram violentadas mais uma vez, na medida em que a professora que cuidava delas foi morta brutalmente”.Luto
A violência enfrentada por mulheres em Salvador e no país não é novidade na grade curricular das escolas. O tema do luto, porém, não é tratado cotidianamente. Para definir quais ações serão empreendidas na Esperança de Viver, a Smed conta com apoio do Fundo Municipal para o Desenvolvimento Humano e Inclusão de Mulheres Afrodescendentes (Fiema) e da Superintendência de Políticas para as Mulheres (SPM). A abordagem ao assunto terá que ser moldada de acordo com as turmas da escola, que funciona com o Ensino Fundamental I e tem 187 alunos, de 4 a 8 anos.Terror
No dia do crime, pais e outros familiares de estudantes comentavam o abalo provocado pelo crime nas crianças. O pai de uma aluna de 4 anos disse que precisou levar a filha ao hospital. Uma ex-aluna, que costuma buscar o sobrinho, aluno de Sandra, disse que o garoto, de 6 anos, estava inconsolável. “Eu fui dar a notícia para ele e ele só fazia chorar”.Para a coordenadora pedagógica Joelice Braga, lidar com esse trauma será um grande desafio. “A gente não acredita que depois de uma cena dessa dá pra gente dizer que as crianças vão chegar e vai ter aula normal. A gente teve um corpo durante um bom tempo dentro da escola, foi a cena de um crime bárbaro”, lembrou. Sepultamento
A professora Sandra, que era paraense, foi sepultada às 17h de ontem, no Cemitério de Bragança (PA). O irmão, Claudio Alfonso, publicou uma imagem do velório na internet e desabafou: “Velório de minha irmã morta pelo marido. ?#?femicidio? #machismomata?”.Também na internet, os dois filhos do primeiro casamento de Valdiógenes, Igor e Caian Amorim, homenagearam a madrasta. “Vai com Deus Denise. Obrigado por tudo. Te amo”, escreveu Caian. “Só tenho que te agradecer por tudo. Queria agora poder te abraçar e falar tudo isso, mas não dá. Te amo muito. Obrigado”, disse Igor. O major também tem uma filha de 14 anos com Sandra, com quem era casado há 21 anos. 

Correio24horas