Menu Lateral Menu Lateral
iBahia > salvador
CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Recomeço

Governador da Bahia anuncia nova licitação do VLT e nega desperdício

Em coletiva, Jerônimo Rodrigues garantiu que tudo comprado para obra ainda será aproveitado. Segundo ele, documento sai até o início do próximo mês

Redação iBahia • 17/08/2023 às 16:07 - há XX semanas

Google News siga o iBahia no Google News!

				
					Governador da Bahia anuncia nova licitação do VLT e nega desperdício
Foto: Divulgação / Skyrail Bahia

O governador da Bahia, Jerônimo Rodrigues, anunciou uma nova licitação para a implantação do VLT no subúrbio de Salvador nesta quinta-feira (17). A informação foi divulgada durante coletiva, um dia após o Governo rescindir contrato com a Skyrail, concessionária que era responsável pelo serviço. A previsão é de que o novo documento saia até o início de setembro.

"Eu espero que a gente possa fazer as tratativas do total desligamento diante desse aspecto do VLT e nós estaremos abrindo a licitação. O prazo que eu tenho na minha mesa é final deste mês, início do outro, para que a gente possa dialogar", disse o governador da Bahia.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Leia mais:

Durante a entrevista, Jerônimo Rodrigues afirmou que o Estado não chegou a comprar os trens e que, apesar da decisão de romper o contrato, não há desperdício de orçamento público, porque, segundo ele, tudo ainda será usado.

"Tudo que foi investido pelo Estado com relação ao VLT, a gente não perde nada. A construção que foi feita na região do Comércio é do Estado e nós vamos continuar fazendo", contou.

O governador detalhou que o rompimento do contrato está sendo tratado pela Companhia de Transportes da Bahia (CTB), Casa Civil e Secretaria de Infraestrutura da Bahia (Seinfra).

Jerônimo aproveitou ainda para rebater os questionamentos de algumas pessoas sobre a relação do Governo com a empresa chinesa, que anunciou no mês passado implantação das fábricas de veículo no Estado.

"Essa saída foi dialogada com o Tribunal de Contas, com o Ministério Público e com a empresa. Então não foi feito qualquer relacionamento com a BYD, que pudesse ferir nossa relação", explicou o governador.

Rescisão

De acordo com o Governo da Bahia, a decisão de rescindir o contrato foi tomada após a Procuradoria Geral do Estado da Bahia (PGE-BA) apontar a medida como saída para a continuidade da implantação do sistema de transporte.

O Estado também pontua para a decisão a inviabilidade atual de reconhecer reequilíbrio econômico-financeiro sem estudos complexos e nem garantia de que o contrato manteria a capacidade de execução. Ou seja, não comprovada a vantagem da proposta da empresa.

Após a divulgação da rescisão, a comissão que representa os moradores do subúrbio de Salvador comemorou a decisão. Com a suspensão do acordo, o grupo espera que o sistema volte para a versão original, em trilhos, diferentemente do monotrilho proposto até então.

As informações foram passadas ao iBahia pelo líder comunitário Joceval Tiburcio, que acompanhava os trâmites que levaram à interrupção do negócio. Segundo o representante, uma audiência organizada pela Câmara de Vereadores deve discutir os próximos passos nesta quinta-feira, no subúrbio.

A comissão por trás das negociações é formada por 4 instituições: Germa, Associação de Usuários dos Portos da Bahia (Usuport), União dos Bairros de Salvador (Unibairros) e Ver de Trem.

"Nós estamos comemorando o cancelamento do contrato e a gente tem indicativo de que o Governo vai anunciar o que a gente tem proposto, que é a restituição da ferrovia e a discussão de implantar o VLT sobre trilhos da forma que foi apresentada inicialmente. A responsabilização vai caber à Justiça", disse.

Histórico e impactos

A construção do sistema foi apresentada em 2017 e licitada no ano seguinte, com assinatura de contrato em 2019. O transporte substituiria os trens, que foram desativados em 2021, mas as obras seguem paradas e sem previsão de entrega.

Quando o contrato foi assinado com o consórcio chinês Skyrail, o valor estimado do investimento para a construção do sistema seria de R$ 1,5 bilhão. No mesmo ano, a obra teve ordem de serviço autorizada e o governo chegou a divulgar que o projeto estaria 100% concluído no segundo semestre de 2024.

Quatro anos depois, a obra sofreu diversas alterações de prazos de entrega, de traçado e de valores, incluindo a mudança no formato dos trens. Dos iniciais R$ 1,5 bi para a conclusão do VLT, o valor atual já passa de R$ 5,2 bilhões, um aumento de 246%. A alteração no mapa de traçado do VLT do Subúrbio é apontada como uma das causas dos reajustes.

Ao longo desse período, moradores sofreram com a retirada dos trens, como relatou Joceval Tiburcio. Além do problema com transporte, a suspensão das atividades mexeu com a economia e o trabalho da população local. Quem usava o serviço pagava R$ 0,50 por passagem e agora desembolsa R$ 4,90 no ônibus.

"As pessoas usavam os trens, passavam moradores, os pescadores, as marisqueiras. O pescador passou a não vender mais. O cara que vendia no mercado informal passou fome. Muitas pessoas foram para o mundo das drogas. A maioria das marisqueiras está trabalhando com reciclagem para poder viver. Elas deixaram de exercer porque não tinha mobilidade".

Antes da parada, a operação, que acontecia há 160 anos, transportava cerca de 6 mil pessoas por dia. Os trens ligavam o subúrbio pela orla da Baía de Todos-os-Santos, em 10 estações, que seguiam de Paripe até a Calçada.

A alternativa oferecida para os moradores da região diante da falta dos trens, que ofereciam percurso coincidente, integral ou parcialmente, ao trajeto realizado pelo sistema foram 16 linhas de ônibus do transporte público da cidade. São elas:

  • 1614 - Itaigara X Mirantes de Periperi Via Brotas;
  • 1607 - Barra X Paripe Cocisa;
  • 1550 - Vista Alegre/Alto de Coutos/Estação Pirajá;
  • 1633 - Ondina X Mirantes de Periperi;
  • 1606-01 – Base Naval Barroquinha;
  • 1606-00 – Paripe X Barroquinha;
  • 1651 - Lapa X Base Naval Via Estrada Velha;
  • 1637 - Mirantes de Periperi - Imbuí/Boca do Rio;
  • 0706-00 - Nordeste - Joanes / Lobato;
  • 1642 - Lapa X Boa v. Lobato;
  • 1615 - Lapa X Plataforma;
  • 1568 - Barra X Faz. Coutos/vista Alegre;
  • L111 - Baixa Do Fiscal / Lobato – Brasilgás.
  • 1567 - Vista Alegre - Barra
  • 1608 – Paripe X Ribeira
  • 1635 – Joanes X Lobato X Rodoviária

Para Joceval, faltou conciliação com o que foi debatido com os moradores. Ele destaca que a mudança afetou a vida do subúrbio, e mexeu com a dignidade da população.

"Quando o tempo passou e a obra não saiu do papel, a população chegou a conclusão de que tudo o que a gente falava era real. Não deveríamos ter ficado sem o trem", ressaltou Joceval.

Venha para a comunidade IBahia
Venha para a comunidade IBahia

TAGS:

RELACIONADAS:

MAIS EM SALVADOR :

Ver mais em Salvador