Tradição junina

Associação Cultural dos Espadeiros de Senhor do Bonfim aciona TJ para impedir prisões durante guerra de ‘espadas’

O pedido foi concedido na quarta-feira (22), pelo juiz de direito - 1º substituto da Vara Criminal Tardelli Boaventura

Redação iBahia
23/06/2022 às 11h29

2 min de leitura
Guerra de Espadas na Bahia [Foto: Reprodução/TV Bahia]

A Associação Cultural dos Espadeiros de Senhor do Bonfim, no norte do estado, acionou o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) para impedir que pessoas sejam presas durante a guerra de “espadas” que vai acontecer nesta quinta-feira (23), em três ruas do município que costumam ser palco para o evento. As informações são do g1 Bahia.

O pedido foi concedido na quarta-feira (22), pelo juiz de direito – 1º substituto da Vara Criminal Tardelli Boaventura. Dessa forma, policiais civis e militares não poderão prender em flagrante as pessoas que estejam portando ou fazendo uso do artefato conhecido como “espada”, nesta quinta-feira, nas ruas Costa Pinto, Júlio Silva e Barão de Cotegipe.

A decisão não isenta os participantes do evento de responsabilidades civis, ou seja, quem cometer qualquer dano ao patrimônio público ou privado poderá ser responsabilizado.

Ainda na decisão, o juiz afirmou que a concessão não pode ser recebida ou interpretada como uma autorização para a realização do evento e que ela não revoga nem se sobrepõe às decisões anteriores.

Apesar de ser tradição na cidade de Senhor do Bonfim, o TJ-BA vetou a realização da guerra de “espadas” em 2017 e suspendeu uma lei que tornava a prática patrimônio cultural do munícipio.

No ano seguinte, em 2018, o Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) recomendou que a prefeitura não ajudasse a promover, nem colaborasse com nenhum ato relacionado à soltura de espadas.

Leia mais sobre Economia no ibahia.com e siga o portal no Google Notícias