Casal de rifeiros morto a tiros oferecia rifas na internet com prêmios entre R$ 6 mil e R$ 50 mil


Foto: Reprodução / Redes Sociais

O casal de rifeiros Rodrigo da Silva Santos e Hynara Santa Rosa da Silva, morto a tiros em Barra do Jacuípe, praia de Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador, ofereciam rifas na internet com prêmios entre R$ 6 mil e R$ 50 mil.

Em um destaque fixado na página do Instagram de Hyrana, que hoje tem 134 mil seguidores, ela publicava o resultado das rifas e vídeos dos ganhadores, estimulando outras pessoas a participar.

“Comprei uma rifa de DG e Naroka e hoje ganhei 12 mil reais. Estou muito feliz, um belo presente de aniversário”, diz uma das ganhadoras no vídeo. O marido de Hyrana, Rodrigo, conhecido como DG Rifas, fazia live no Instagram com o resultado dos sorteios.

Sorteios, venda de rifas e promoções nas redes sociais é uma prática comum, apesar de a distribuição de prêmios por meio de sorteios ter que seguir uma série de regras estabelecidas pelo Ministério da Economia.

De acordo com a Lei nº 5.768, de 1971, e a Portaria nº 20.749, de 2020, a distribuição de prêmios mediante sorteio, vale-brinde, concurso ou operação semelhante por organizações da sociedade civil só pode ocorrer mediante autorização prévia da pasta. Para conseguir essa liberação, é preciso enviar um pedido ao Sistema de Controle de Promoção Comercial (SCPC), de 40 a 120 dias antes da promoção.

A legislação diz que a autorização somente é concedida à pessoa jurídica ue exerça atividade comercial, industrial ou de compra e venda de bens imóveis. Dessa forma, pessoas físicas não podem realizar promoção comercial.

O crime

Os rifeiros foram assassinados a tiros em Barra do Jacuípe, na cidade de Camaçari. Rodrigo da Silva Santos, de 33 anos, e Hynara Santa Rosa da Silva, de 39, estavam no bar de um condomínio, quando foram atacados, no dia 11 de dezembro. Eles morreram no local.

O casal estava na região curtindo a praia antes do crime. No Instagram, onde eram conhecidos como Naroka e Digony DG, eles postaram diversos momentos do dia de lazer. Em algumas imagens, eles aparecem andando de jet-ski.

O enterro aconteceu no Cemitério Bosque da Paz, que fica localizado no bairro de Nova Brasília, no dia 12 de dezembro. A cerimônia reuniu dezenas de amigos e familiares do casal, sob forte comoção. Algumas pessoas chegaram a ser amparadas durante a saída dos caixões do velório para o sepultamento.

Foto: Reprodução/TV Bahia

Durante entrevista à TV Bahia, um vizinho dos rifeiros falou sobre o sentimento que fica para os amigos e refletiu sobre as crianças que ficaram sem os pais.

“Foi chocante. Deixou duas crianças. Uma de três anos e outra com idade um pouco mais elevada. A gente fica triste porque acabou uma família. A gente não sabe como vai ser a cabeça dessa criança daqui pra frente”, disse Francisco Júnior.

Já o cantor Juninho Lopez, que era amigo das vítimas e também empresariado por eles, pediu justiça. “Que a polícia procure ver o que teve e corra atrás, para que possa ser feita a justiça. Além de empresário e amigos, também eram conselheiros. Inclusive, momentos antes, ontem, eu estava com eles. Estava um dia bom e infelizmente veio a acontecer isso”.

O caso está sob investigação da Polícia Civil. Ainda não há detalhes sobre autoria e motivação do crime. A corporação ainda não confirma a relação do duplo homicídio com os assassinatos de outros rifeiros ocorridos neste ano, quando foram registrados ao menos 5 casos em Salvador.

Foto: Reprodução/TV Bahia

Leia mais sobre Salvador no iBahia.com e siga o portal no Google Notícias.

Leia mais sobre Bahia no iBahia.com e siga o portal no Google Notícias.