Diretor dos Jogos Rio-2016 é acusado de superfaturar equipamentos do Pan


O diretor de segurança do Comitê Rio-2016, o delegado Luiz Fernando Corrêa, foi convocado a dar explicações à Justiça Federal, segundo matéria publicada nesta sexta-feira pela “Folha de S. Paulo”. O ex-diretor-geral da Polícia Federal, o delegado Odécio Rodrigues Carneiro – coordenador-geral de tecnologia e informação da Polícia Federal durante o Pan – e mais três empresas respondem a uma ação de improbidade administrativa que apura a contratação, sem licitação, para os Jogos de 2007.

O consórcio, formado por 11 empresas, foi criado para fornecer equipamentos de tecnologia à área de segurança da competição. Segunda a reportagem, o Ministério da Justiça pagou ao consórcio R$ 170 milhões por este serviço. Deste total, peritos do Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal teriam rastreado R$ 40 milhões e descobriram que foram adquiridos equipamentos por 78% acima do valor estabelecido pelo mercado. A defesa tem 15 dias para prestar esclarecimentos ao juiz Antonio Cláudio Macedo Silva, da 8ª Vara Federal de Brasília. O Ministério Público Federal quer a indisponibilidade dos bens dos suspeitos e o ressarcimento à União.