Investigação

PF divulga imagens de objetos achados nas buscas por jornalista britânico e indigenista

Foram localizados uma mochila, um notebook, camisas, bermudas, calça, chinelos e botas que pertenciam aos dois desaparecidos, além de um cartão de saúde em nome de Bruno Pereira. O material foi levado para perícia

Redação iBahia
13/06/2022 às 19h29

3 min de leitura
Foto: Divulgação/PF

Imagens divulgadas pela Polícia Federal nesta segunda-feira (13) mostram alguns objetos encontrados durante as buscas pelo jornalista inglês Dom Phillips e pelo indigenista Bruno Araújo Pereira, no último domingo (12), no interior do Amazonas.

Segundo informações da PF, foram localizados uma mochila, um notebook, camisas, bermudas, calça, chinelos e botas que pertenciam aos dois desaparecidos, além de um cartão de saúde em nome de Bruno Pereira. O material foi levado para perícia.

A mochila estava em uma área de igapó (região da Floresta Amazônica alagada pelos rios e com inúmeras árvores) e estava amarrada em uma árvore.

De acordo com o coordenador da equipe dos Bombeiros em Atalaia do Norte, Barbosa Amorim, os itens foram encontrados próximo à casa de Amarildo Costa de Oliveira, suspeito de envolvimento no crime, que segue preso suspeito do desaparecimento das vítimas.

Nesta segunda, a esposa de Dom Phillips, Alessandra Sampaio, afirmou que o corpo dele e do indigenista Bruno Pereira foram encontrados, e que teria recebido a informação da embaixada do Brasil em Londres. No entanto, a Polícia Federal negou que tenha localizado os corpos.

Caso

Dom Phillips e Bruno Araújo Pereira
Foto: Reprodução

Bruno e Phillips transitavam entre a comunidade Ribeirinha São Rafael e a cidade de Atalaia do Norte quando sumiram. Eles tinham ido para a região para entrevistas e uma reunião, e deveriam ter retornado no domingo (5), mas não apareceram.

Dom Phillips e a esposa moram na Bahia desde 2007 e os dois têm uma casa em Salvador. O jornalista, que é colaborador do jornal britânico The Guardian, está escrevendo um livro sobre a floresta amazônica e sua autossustentabilidade quanto às chuvas. Por isso estava no local.

Foto: Reprodução / TV Bahia

Bruno, além de estudar e pesquisar questões relacionadas aos povos indígenas, é servidor de carreira da Funai, e recebia constantes ameaças de madeireiros, garimpeiros e pescadores. Isso pode ter relação com o caso.

O suspeito preso na terça-feira (7) foi identificado como Amarildo da Costa de Oliveira, 41 anos. Ele é conhecido como “Pelado”. A prisão em flagrante do suspeito foi convertida em preventiva na quinta-feira (9).

No domingo, a União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja) divulgou ter encontrado uma nova embarcação em área de busca pelos desaparecidos.

Leia mais sobre Brasil no ibahia.com e siga o portal no Google Notícias