Quer viajar à África do Sul? Saiba tudo sobre Cidade do Cabo e Joanesburgo


Foto: Acervo Erick Issa

Viajar à África é o sonho de muita gente. O continente que é tão rico em cultura, história, belezas naturais, gastronomia, dentre outras coisas, tem tudo para fazer a sua viagem inesquecível. Países como Angola, Moçambique, Cabo Verde, Marrocos, Egito e Tanzânia são alguns dos destinos mais procurados pelos turistas brasileiros. Além deles, a África do Sul é um dos lugares que mais recebem visitantes brasileiros quando o assunto é turismo.

Para que você comece a planejar uma futura visita a esse que é um dos países mais interessantes do planeta, nossa coluna Issabordo – aqui do iBahia – traz essa semana um guia com dicas importantes de duas das principais cidades da África do Sul: Joanesburgo e Cidade do Cabo. Que tal conhecer a história de Nelson Mandela? E o que você acha de fazer um safári? Vem conosco que não vai faltar opção. Vamos às dicas!

Nossa viagem tinha como principal ponto de interesse a Cidade do Cabo, mas como teríamos uma parada em Joanesburgo, aproveitamos o pouco tempo que tínhamos para explorar o local. Por isso, nossas dicas em Joanesburgo vão se concentrar naqueles viajantes que pretendem fazer um tour rápido pela cidade antes de seguir viagem até Cape Town.

Foto: Acervo Erick Issa

O que fazer em 1 dia em Joanesburgo? 

Quis o destino que minha chegada à África do Sul acontecesse em um 20 de novembro, quando, no Brasil, se comemora o Dia da Consciência Negra. Por estar hospedado na região de Sandton, aproveitei para fotografar a estátua de Nelson Mandela, que liderou o movimento contra o apartheid e também presidiu o país. Mandela morreu em 2013, mas, com toda certeza, seu exemplo permanece vivo na luta pela igualdade racial.

A moeda do país é o ZAR e comparado ao real, acaba sendo mais vantajoso que viajar para países que utilizam o dólar ou o euro, por exemplo. Acaba sendo uma viagem dentro do orçamento e lembrando que a África do Sul não exige visto para entrada de turistas brasileiros.

Johhanesburg é a maior cidade da África do Sul, muito embora não seja sua capital. Também conhecida como #Joburg, esta metrópole tem menos de 150 anos e cresceu graças à corrida pelo ouro. Muitas ruas da cidade são estreitas, pois acreditava-se que depois que a caça ao ouro acabasse, Joburg se tornaria uma cidade fantasma. Com uma altitude de 1.753 metros, o coração financeiro do continente é uma cidade vibrante e definida por alguns como uma terra de oportunidades.

Os brasileiros têm algumas opções de como chegar em Joanesburgo. Hoje, é mais fácil chegar na cidade com a companhia aérea angolana Taag, que tem voos de Guarulhos, mas o viajante faz conexão em Luanda. Há a expectativa de que a Latam retome os voos para a África do Sul muito em breve. Joanesburgo é o ponto de partida para quem deseja conhecer a bela e atrativa Cidade do Cabo.

Foto: Acervo Erick Issa

Para quem, assim como eu, não tem muito tempo em Joanesburgo, o CitySightseeing Joburg, aquele famoso ônibus turístico vermelho (Hop-On Hop-Off) é um passeio indicado. Além de ser acessível, custa 199 ZAR (R$ 61,00) e se comprado online, tem opção que inclui um tour pelo Soweto. Para este caso, o preço é 509 ZAR (R$ 156,00). A primeira opção percorre pontos de interesse como Museu do Apartheid, Gold Reef City, JHB Zoo, Mining District, Carlton Centre, dentre outros. O visitante pode ficar em uma das paradas, caso deseje conhecer melhor, pegando o próximo ônibus (a cada meia hora). O tour parte de Rosebank, mas para quem estiver hospedado em Sandton, há opção de traslado gratuito em horários a serem consultados.

Por falar em Sandton, acredito que seja a melhor opção de hospedagem na África do Sul, afinal está colada com um centro de compras e com o metrô, que sai direto do aeroporto. É neste centro de compras que está a estátua de Mandela. Daqui você pega o transfer para o local de partida ao ônibus vermelho. Todos os pontos citados acima são indicados para quem faz turismo nesta cidade. Você pode conhecer todos ou escolher descer naqueles que lhe chamam mais atenção.

Foto: Acervo Erick Issa

Cidade do Cabo

  • Table Mountain

Cheguei na Cidade do Cabo depois de um voo Low Cost partindo de Joanesburgo. Confesso que me apaixonei à primeira vista. A cidade é linda e transpira vida.

Conhecer a Table Mountain é um passeio obrigatório a qualquer visitante em Cape Town. É importante saber que nem sempre é possível acessar o local, isso devido ao tempo. Programe-se! Justamente pela imprevisibilidade, coloquei esse passeio como primeiro da lista. Ao acordar, acessei o site tablemountain.net, que mostra se as condições do tempo são favoráveis e se a montanha está aberta à visitação. Como a resposta foi positiva, no próprio site, fiz a compra online do ticket, evitando pegar uma fila imensa de compra presencial.

Os valores são variáveis, isso porque alguns visitantes preferem fazer apenas um trecho com o teleférico, por aqui chamado cable car – subida e descida duram 5 minutos e o equipamento gira durante a travessia, proporcionando que todos os passageiros tenham visão da cidade e da montanha. Caso deseje fazer os dois trechos, o valor fica 390 ZAR (R$ 123,00) no período de 8h às 13h. Após esse horário, o valor fica um pouco mais barato: 320 (R$ 101,00). Um trecho, caso o visitante escolha subir ou descer pela trilha, custa 210 ZAR. Crianças de 4 a 17 anos pagam 190 ZAR ou 160 ZAR pelos dois trechos, a depender do turno.

Uma vez no topo desta montanha, de mais de mil metros acima do nível do mar, o visitante tem uma extensa área a ser explorada. As trilhas levam a diversos lugares, o que rende fotos nos mais variados ângulos. O interessante é que a cada metro caminhado, um novo olhar da cidade pode ser percebido, o que, com certeza, obriga o turista a registrar mais e mais fotos. Não deixe de explorar a montanha que fica ao lado da Table Mountain. Lá, o silêncio e contato com a natureza vão te proporcionar uma sensação única de paz interior. Por aqui, também é indicado fazer um piquenique com amigos e ou familiares.

Qual safári fazer partindo da Cidade do Cabo?

Estar na África e não visitar um safári é o mesmo que não ter ido à África. Essa é a frase dita por muitos viajantes e que li exaustivamente nos meses que antecederam minha visita. Vamos combinar que essa frase é a pura verdade. Já pensou visitar o Rio e não conhecer o Cristo? Ou ir à Bahia e não tirar uma foto no Farol da Barra? Pois bem! De que adianta pisar no continente africano e não fazer este passeio consagrado e obrigatório? Encontrei duas opções saindo de Cape Town: Inverdoorn e Aquila. Ambos ficam cerca de 3h da Cidade do Cabo. Escolhi o Inverdoorn por oferecer mais espécies de animais, inclusive o valor é um pouco mais barato que o Aquila.

Antes de escolher seu safari, esteja atento se a reserva escolhida está fora da zona de malária, caso contrário será preciso tomar remédio preventivo. Você precisa se preocupar em reservar com antecedência, já que as vagas são limitadas e esgotam rápido. Caso vá passar mais de dez dias em Cape Town, dá para arriscar reservar na cidade, mas o indicado é fazer a reserva antes. Pelo site www.inverdoorn.com o turista consegue entrar em contato e solicitar uma cotação com os valores atualizados. Há opção de se hospedar no local, mas não vi motivo de estar por ali mais que um dia, além do preço não ser amigável. Caso tenha alugado um carro e confie em seu GPS, pode arriscar, mas não deixe de fazer a reserva antes. Saiba que a estrada é deserta e caso se perca terá dificuldade. Uma pequena parte da estrada não tem asfalto.

Uma boa opção para garantir o safari no esquema bate e volta é acessar o site da African Eagle (www.daytours.co.za). Você pode fazer sua reserva e pagar com cartão de crédito, mas caso não tenha cartão, basta um simples e-mail explicando sua situação para garantir a reserva. Eles solicitam alguns dados e confirmam a reserva para a data escolhida, enviando um booking confirmation para o email solicitante. Fui pego no hotel por volta das 6:30, chegando ao Inverdoorn 10h, com o safari iniciando de forma imediata. No site da African Eagle, o valor a ser pago é 3210 ZAR (R$ 1.007), com entrada, almoço e transporte inclusos. Crianças pagam metade desse valor.

Com sorte, o guia do seu carrinho de safari no Inverdoorn será tão bom quanto o meu, que se aproximou de diversos animais e explicou tudo em detalhes. Conseguimos ver todos os Big 5, além de outras espécies, como zebras, girafas, antílopes. Apesar do preço salgado, é um passeio inesquecível!

Foto: Acervo Erick Issa

Quer ver pinguins na Cidade do Cabo? Saiba como

Quem visita a Cidade do Cabo tem outro passeio, além da Table Mountain, como obrigatório. Estou falando da Boulders Beach, a famosa praia dos pinguins. Esse local fica na península do Cabo e é muito visitado por turistas.

Todos os passeios de agências para o Cabo da Boa Esperança incluem a Boulders no roteiro. Você não pode deixar de fazer o passeio pela península do Cabo. O famoso ônibus de turismo vermelho também tem opção com passagem por este local. Eu preferi contratar um taxista local para ter mais liberdade e passar quanto tempo desejasse em cada ponto turístico.

Independente da forma que você escolha, seja um taxista, um ônibus vermelho ou uma agência, não deixe de fazer esse passeio pela península. As vistas são de tirar o folego. Você vai se apaixonar ainda mais pela África do Sul ao conhecer algumas de suas praias, como a dos pinguins, além de visitar o Cabo da Boa Esperança e o Cape Point.

Mas, vamos ao que interesse! Como ver os pinguins de perto sem ser com aquela multidão de turista em um deck à distância? É bem simples! Você deve se atentar ao fato de que os turistas todos se concentram na primeira entrada, pois não há divulgação de que se você seguir em frente, caminhar por mais 200 metros, tem outra entrada. Essa segunda portaria te leva até a areia da praia. Ali, você pode tirar foto ao lado dos pinguins, sem cercas separando. Dá até para passar o dia, inclusive tomar banho de mar, caso esteja acostumado com uma água na mesma temperatura das praias do Rio de Janeiro. Se você escolher a primeira entrada de Boulders, vai acabar com um bando de turistas, aglomerados em um deck, apenas observando os pinguins na praia e tirando mil fotos. Então, não esqueça! Siga mais alguns metros e desfrute da companhia desses bichinhos na própria praia.

Foto: Acervo Erick Issa

Outras opções de passeios

A região do Waterfront é excelente em todos os sentidos. Além de bons restaurantes, o V&A, que é um shopping, traz boas opções aos turistas. É daqui desta região que partem passeios de barco para praias e para os canais da cidade. Esse último passeio é bem acessível, além de ser guiado com áudios em diversos idiomas, inclusive em português.

Também do Waterfront parte o concorrido passeio a Robben Island, a ilha que por muitos anos abrigou um presídio. Esse é um passeio interessante para quem deseja conhecer melhor a história da África do Sul e do seu principal líder, Nelson Mandela, que esteve preso no lugar durante o período.

Se atente ao fato de que esse passeio, que tem duração estimada de 4 horas, se esgota muito rápido, principalmente na alta estação. É recomendável comprar os ingressos antes mesmo da sua viagem, ainda no Brasil, pelo site. O endereço é http://www.robben-island.org.za/ e o valor por adulto é de 600 ZAR (188 reais).

Outro passeio que também recomendo é o Aquário Dois Oceanos, que fica ali mesmo na região do Waterfront. Crianças e adultos vão gostar de conhecer esse aquário que, como o próprio nome já diz, traz belezas que remetem aos dois oceanos, já que a África do Sul é um ponto de interseção entre os oceanos Atlântico e Índico.  O preço é de 220 ZAR (R$ 69,00) por adulto.

Leia mais sobre Issabordo no ibahia.com e siga o portal no Google Notícias

Veja também: