Barça vence o Milan e está nas semi da Liga dos Campeões


Esqueça a polêmica que envolveu as condições do gramado do San Siro na última semana: nada promete ser tão agitado nas próxima semanas como a discussão sobre os pênaltis marcados a favor do Barcelona nesta quarta-feira, no Camp Nou, pelo jogo de volta das quartas de final da Liga dos Campeões. O craque Lionel Messi nada teve a ver com isso e, com dois gols e novo recorde, garantiu mais uma classificação de sua equipe às semifinais da principal competição do continente, com vitória por 3 a 1 sobre o Milan. O argentino marcou em ambas as vezes de pênaltis discutíveis. No primeiro, ele sofreu a falta de Antonini, mas voltava de posição de impedimento, enquanto o zagueiro Nesta acabou como vilão do segundo ao puxar a camisa de Busquets em um escanteio. Nocerino ainda pôs fogo no jogo entre os dois gols, mas Iniesta selou a vaga na etapa final. Com os dois tentos, Messi tornou-se o maior artilheiro em uma edição da Champions, agora com 14 gols, igualando-se ao brasileiro Mazzola na temporada 1962/63. Ele também ultrapassou a marca dos 50 gols na competição – tem 51 em 66 jogos – e ainda poderá ampliar a marca, já que tem pelo menos mais dois confrontos pela frente. O adversário do time de Pep Guardiola será conhecido nesta quarta-feira. Em Londres, o Chelsea receberá o Benfica com a vantagem de ter vencido por 1 a 0 no confronto de Lisboa, na última semana. Na outra chave, o Bayern de Munique derrotou o Olympique de Marselha por 2 a 0 e aguarda possivelmente pelo Real Madrid, que enfrentará o Apoel no Santiago Bernabéu. Árbitro e, claro, Messi roubam a cena Seria raro Lionel Messi ter alguém tão protagonista como ele em um primeiro tempo que o Barcelona marcasse duas vezes – as duas com o argentino. Mas o árbitro holandês Björn Kuipers tratou de colocar mais polêmica em um clássico já quente desde a última semana. Foram dois pênaltis assinalados na etapa inicial. O primeiro veio aos nove minutos, quando o Barça já tomava conta do jogo e havia assustado o goleiro Abbiati em duas oportunidade, ambas com Messi – a segunda após um passe sensacional de Fàbregas que caiu no pé direito da Pulga. Mexès saiu jogando errado e entregou o ouro para o argentino, que preferiu o toque para trás. Antonini, porém, se atrapalhou e cometeu a falta no atacante, que se aproveitou de uma posição de impedimento na jogada. Na cobrança, Messi colocou no canto direito e abriu o placar. O Milan se atrapalhava com a movimentação do setor ofensivo catalão, que alternava de posicionamento. Seedorf também tinha dificuldades em acompanhar Xavi, assim como Ambrosini. Mas bastou uma jogada organizada para os rossoneros comprovarem o temor de Guardiola. Aos 32, Ibrahimovic deu ótima enfiada para Nocerino, livre na grande área, chutar rasteiro: 1 a 1. A superioridade em campo já era evidente, mas não há como negar que o gol que àquela altura classificava os italianos deu novo gás aos donos da casa. Abbiati teve sua meta sufocada até o apito final e até fez um bom trabalho. Só não pôde com mais uma penalidade. Aos 39, Nesta puxou Busquets em cobrança de escanteio e viu Björn marcar a penalidade. Os italianos reclamaram, mas Messi nada teve a ver com isso. Dessa vez no canto esquerdo, o argentino anotou o seu segundo na partida, e 14º em toda a competição, igualando o recorde do brasileiro Mazzola, artilheiro na temporada 1962/63. Iniesta amplia Milan e Barcelona voltaram sem substituições para a etapa final. E o panorama não teria por que ser diferente. Dono da posse de bola, o time de Guardiola foi aumentando o número de suas finalizações. Aos três, em falta da entrada da área, Xavi fez Abbiati suspirar. Cinco minutos depois não houve jeito: Iniesta recebeu lançamento de Messi e deu um toque por cima para abrir uma confortável vantagem. Precisando sair para o jogo, Allegri mexeu: pôs Aquilani e Alexandre Pato; Xavi, que não estava na melhor de suas condições, também deixou o gramado. E os visitantes encontraram espaço para suas oportunidades. Aos 16, Robinho roubou a bola de Piqué, avançou e concluiu para boa defesa de Valdés – o juiz, no entanto, deu um toque de mão do brasileiro. Do outro lado, a resposta veio da mesma moeda: Messi recebeu na meia-lua e entregou para Thiago Alcântara dentro da área. O brasileiro naturalizado espanhol chutou para fora.O Milan tinha pressa, mas não conseguiu transformar sua ambição em um futebol que incomodasse de verdade o Barcelona. Alexandre Pato, que havia entrado no decorrer do segundo tempo e jogado pela primeira vez desde fevereiro, sentiu dores musculares e deu lugar a Maxi López. Não fez diferença.