Jean-Luc Godard morreu por suicídio assistido: ‘Ele não estava doente, apenas esgotado’


Foto: Canon CPN/ YouTube

O cineasta franco-suíço Jean-Luc Godard, morto nesta terça-feira, 13, aos 91 anos, teve acesso ao suicídio assistido, um recurso legal na Suíça. “Ele não estava doente, apenas esgotado”, disse a família ao jornal Libération. “Foi decisão dele e é importante que se saiba”. Outras pessoas próximas confirmaram a informação ao jornal francês.

Godard é um ícone do cinema moderno. Foi um dos líderes da Nouvelle Vague francesa, movimento que revolucionou o cinema. Nascido na Suíça em 1930, ele mudou as regras convencionais do cinema já em seu primeiro filme, “Acossado” (1959).

Sempre ativo até os últimos anos de vida, o cineasta já havia explicado em uma entrevista que poderia recorrer ao suicídio assistido. “Não estou ansioso de perseguir a qualquer preço. Se estiver doente demais, não tenho vontade alguma de ficar sendo arrastado em um carrinho de mão”, disse ele em uma entrevista em 2014.

O suicídio assistido é permitido na Suíça desde 1942, desde que os motivos não sejam egoístas. Esse tipo de procedimento é diferente da eutanásia, que não é autorizada no país. A principal diferença entre as técnicas é quem realiza o ato final. No Brasil, o ato é considerado crime.

Recentemente, o ator Alain Delon, contemporâneo de Godard (e que trabalhou com o cineasta no filme “Nouvelle Vague”, de 1990) afirmou que também pretendia fazer recurso ao suicídio assistido.

Alain sofreu um duplo AVC em 2019 e vem se recuperando aos poucos desde então. Embora seu estado de saúde seja considerado bom, recentemente, ele pediu para seu filho, Anthony, 57 anos, organizar todo o processo e acompanhá-lo em seus últimos momentos.

Leia mais sobre Mundo no iBahia.com e siga o portal no Google Notícias