Menu Lateral Menu Lateral
iBahia > notícias > justiça
CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Durante 10 anos

Padre é preso suspeito de desviar R$140 milhões de hospital em esquema

Padre tinha vida luxuosa e possuía 29 imóveis, segundo investigações

Lucas Mascarenhas • 20/11/2023 às 10:56 • Atualizada em 20/11/2023 às 16:50 - há XX semanas

Google News siga o iBahia no Google News!

O padre Egídio de Carvalho Neto foi preso na última sexta-feira (17), em João Pessoa, suspeito de comandar um esquema que desviou cerca de R$140 milhões do Hospital Padre Zé, de onde era diretor.


				
					Padre é preso suspeito de desviar R$140 milhões de hospital em esquema
Além do padre Egídio de Carvalho Neto, outras duas mulheres foram presas. Foto: Reprodução/Globo

De acordo com as investigações, o padre tinha uma vida de luxo e possuía 29 imóveis no nome dele ou de terceiros, na Paraíba, Pernambuco e em São Paulo.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Leia mais:

Um dos imóveis está avaliado em R$2,4 milhões. A polícia ainda encontrou garrafas de vinho avaliadas em R$2 mil, além de roupas de marca e objetos de decoração.

“Ele tratava as contas bancárias tanto do Instituto de São José quanto da Ação Social Diocesano, como se fossem dele”, comentou o promotor de Justiça do Gaeco da Paraíba, Dennys Carneiro, sobre o Instituto que é mantenedor do hospital.

“O dinheiro transitava da forma como ele queria, para onde ele queria. Isso tudo aliado a uma completa e absoluta desorganização documental. O Instituto São José não tem quase nenhum documento patrimonial, de acervo”, completou.

Segundo os investigadores, o esquema de desvio dos recursos públicos começou em 2013. O padre ainda fez dois empréstimos sob o nome da instituição.

Por conta do ocorrido, o padre que está atualmente na direção do hospital disse que a arrecadação diminuiu bruscamente: “Estou mendigando remédio, insumo, alimento, fralda pros doentes."

Novas prisões

Além do Egídio de Carvalho Neto, outras duas mulheres foram presas. Uma era diretora administrativa do hospital e outra supervisora da tesouraria.

A defesa delas afirmou que "apesar da quantidade de documentos recolhidos pela investigação, nenhum elemento prova que elas tenham se beneficiado das verbas do Hospital Padre Zé."

Já a defesa do padre disse que ele “irá se pronunciar oportunamente e irá explicar e dar a sua versão”.

Venha para a comunidade IBahia
Venha para a comunidade IBahia

TAGS:

RELACIONADAS:

MAIS EM JUSTIÇA :

Ver mais em Justiça